STº ESTEVÃO ☼ Famílias que moram perto da BR-116, na Bahia, reclamam de rachaduras em casas após obras na rodovia - Observador Independente

EM PAUTA

B2

Post Top Ad

banner gif 728x90

Publicidade

Publicidade

sexta-feira, 7 de julho de 2017

STº ESTEVÃO ☼ Famílias que moram perto da BR-116, na Bahia, reclamam de rachaduras em casas após obras na rodovia

Centenas de famílias reclamam de rachaduras em casas após obras de duplicação da BR-116

Centenas de famílias que moram perto da BR-116-Sul, trecho de Santo Estevão, município a cerca de 150 km de Salvador, reclamam de rachaduras nas casas depois que foi feita a obra de duplicação da rodovia. Além disso, alguns moradores dizem que tiveram problemas graves de saúde após o serviço feito na região.

A casa onde Dona Maria mora há 10 anos é uma das que ficam às margens da BR-116. Ela vive com os filhos, um deles é deficiente. Desde que a concessionária que administra a rodovia começou a obra de duplicação da estrada, a lavradora vive preocupada. Segundo ela, com as detonações e a utilização de maquinário pesado, surgiram fissuras no imóvel, que, com o tempo, viraram rachaduras.

Algumas famílias chegaram a ser indenizadas. Em 2010, Ari estava construindo uma casa em um terreno às margens da rodovia, para morar com a mulher e os cinco filhos. Quatro cômodos já estavam prontos, até que começou a obra de duplicação da rodovia, o que causou problemas.

“As minhas paredes começaram a trincar, até que eu fui até eles [concessionária], comecei a falar que estava trincando, eles disseram que iam vir resolver isso aí. Foram e passaram o trator por cima. Chegaram dar R$ 5 mil”, conta Ary Souza, pintor.

O advogado de parte dos moradores afirma que os processos estão bem adiantados. “Temos quase 300 processos em andamento. Já tivemos audiência de conciliação e instrução, e alguns deles estão prontos para sentença”, disse Nirvana Dantas

A Justiça condenou a concessionária Via Bahia, responsável pela obra, a pagar uma indenização de quase R$ 100 mil às famílias. A decisão do juizado especial cível de Santo Estevão sobre as três primeiras ações foi publicada na última terça-feira (4).

A concessionária disse que vai recorrer da decisão e que não há relação entre as obras e os danos causados nos imóveis. Também falou que os estudos feitos mostram que a vibração provocada pelas obras não causa danos à estrutura dos imóveis localizados perto da rodovia.

Em nota, A ViaBahia informou que as obras de duplicação foram iniciadas em janeiro de 2012 e as novas pistas liberadas ao tráfego em julho de 2015. Sobre os processos por conta de rachaduras nos imóveis, a concessionária disse que os possíveis danos nas casas próximas ao trecho da obra na BR-116 não têm relação com o serviço feito pela ViaBahia no local e que muitas casas da região são antigas, e sofrem com a ação do tempo.

Ainda em nota, a concessionária informou que o imóvel do seu Ary Souza, que foi demolido, foi retirado do local com a autorização do mesmo, em junho de 2016, por ter sido construído em uma área irregular, dentro da faixa de domínio da União Federal, sob administração da ViaBahia. Conforme a empresa, está prevista em contrato a obrigação de desocupar a faixa de domínio.

Post Bottom Ad

JPG 728x90