SALVADOR # Criança de um ano sofre traumatismo craniano após ser espancada - Observador Independente

BAHIA

5 de mayo de 2018

SALVADOR # Criança de um ano sofre traumatismo craniano após ser espancada

Menino seguia no Hospital do Subúrbio, mas sem qualquer familiar o acompanhando





Um menino de 1 ano e 3 meses foi internado no Hospital do Subúrbio (HS), localizado no Subúrbio Ferroviário de Salvador, na manhã da quinta-feira, 3, com traumatismo craniano e com vários hematomas na face, no tórax, testículos e pênis.

Ele foi operado e, até a noite desta sexta, 4, seguia internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave.

Durante esta sexta, policiais da Delegacia Especializada de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente (Derca) tentavam identificar e prender a pessoa responsável pelo espancamento do garoto.

Segundo um policial, as investigações iniciais apontam que a criança foi agredida na quarta-feira, 2, quando foi passar o dia com a mãe biológica, no bairro de São Caetano, na capital baiana.

Há dois meses, o menino está morando no Uruguai, na Cidade Baixa, com a manicure Rozaliria Santos, 42 anos. Ela não conhece a mãe do bebê, mas passou a cuidar dele a pedido de um amigo, que é primo da criança.

O homem contou a ela que a mãe do menino costumava agredi-lo constantemente.

Rotina de lesões

Conforme Rozaliria, toda vez que o garoto ia visitar a mãe, retornava com hematomas. “Dessa vez, foi demais. Quando ele (bebê) chegou, eu estava no trabalho. Aí minha filha me ligou e disse que ele estava molezinho, machucado”, lembrou a mulher.

Sob anonimato, um policial contou que, ao saber que Rozaliria levaria a criança ao médico, o primo foi à casa dela, pegou a criança e só retornou na manhã da quinta, dia em que o bebê foi internado, já em estado grave.

“Segundo o primo, o menino ficou na casa da mãe brincando com outras crianças e caiu. Mas dá para ver que não foi queda, ele está muito machucado. Só Deus mesmo e a justiça dos homens”, desabafou Rozaliria.

Ela, as filhas e uma sobrinha são as únicas pessoas que estão acompanhando a criança. Até esta sexta, nenhum familiar havia comparecido à unidade de saúde. “Ele (primo do bebê) disse que foi na casa dela (mãe), mas ela tinha fugido. Hoje, ele foi na Derca”, disse a mulher.

ATARDE
AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Paginas