BRASÍLIA @ Após 21 anos de discussão, Igreja anglicana libera casamento homoafetivo no Brasil - Observador Independente

BAHIA

domingo, 10 de junio de 2018

BRASÍLIA @ Após 21 anos de discussão, Igreja anglicana libera casamento homoafetivo no Brasil

Resolução foi tomada em assembleia, mas depende de aprovação em cada uma das dioceses, diz
Bispo da Igreja anglicana em Brasília, Maurício Andrade (Foto: Gabriel Luiz/G1)



Ai está a explicação para muitas coisas.


Após 21 anos de debate, a Igreja anglicana no Brasil autorizou a realização de casamento entre pessoas do mesmo sexo. A resolução foi tomada em Brasília no dia 2 de junho, em uma assembleia-geral com os representantes da religião pelo país. Foram 57 votos a favor, 3 contrários e 2 abstenções.

Para valer, no entanto, a nova regra precisa ser aprovada por cada uma das nove dioceses, que funcionam com autonomia. A primeira a dar a largada foi a diocese de Porto Alegre (RS). Brasília deve bater o martelo sobre o assunto em 1º de setembro, dia da próxima reunião local.

Segundo o bispo da capital federal, Maurício Andrade, a tendência é de que o casamento homoafetivo também seja aprovado em Brasília. Ainda assim, ele disse não acreditar que a medida seja unanimidade em todo o país. “Vai haver rejeição, e não cabe recurso. Mas nada impede que uma diocese reveja suas decisões no futuro.”

"O importante é registrar que isso não aconteceu do nada. Em 2013, ficou aprovado que teríamos de trazer uma decisão sobre o assunto nos próximos quatro anos. O que a Igreja fez foi intensificar a reflexão biblico-teológica de acolhimento de todas as pessoas."

A permissão para o casamento gay é mais uma atitude considerada vanguardista da Igreja anglicana no Brasil. Entre outros pontos, ela não traz a imposição de celibato. Além disso, há 33 anos tem mulheres na ordenação. Cada um desses temas foi alvo de debate interno antes de serem aprovados. “Reflexão” é o termo usado pelo grupo.
Imagem da assembleia em que foi aprovada autorização para casamento LGBT no 
Brasil em igrejas anglicanas

Paginas