SALVADOR @ Shopping da Gente tem denúncias de estelionato e caso vai parar no MP - Observador Independente

BAHIA

viernes, 6 de julio de 2018

SALVADOR @ Shopping da Gente tem denúncias de estelionato e caso vai parar no MP

Inaugurado com dois anos de atraso, o empreendimento acumula problemas estruturais
Foto : Tácio Moreira/Metropress




Se tem alguém que conhece o verdadeiro significado da expressão “comprar gato por lebre”, ele está no Shopping da Gente, em Salvador. O empreendimento na Av. Antônio Carlos Magalhães — inaugurado com dois anos de atraso —, foi vendido como “um dos mais modernos” da capital, no entanto, acumula problemas estruturais e o descontentamento dos investidores. 

Quem acreditou no projeto teve a decepção concretizada logo na abertura das portas, em julho de 2016. De acordo com os lojistas, ainda falta tudo no local pensado para ser popular: gestão, segurança, climatização, limpeza e até piso. Sem respostas do empresário Carlos Piñon Filho, um dos responsáveis pelo espaço, os permissionários acionaram a Justiça e se reuniram com o Ministério Público da Bahia (MP-BA) na semana passada. 

De acordo com o presidente da Associação dos Lojistas (ALSDG), Pedro Vilas Boas, mesmo inacabado, o shopping chega a ter um aluguel três vezes mais caro que em estabelecimentos maiores como o Salvador Shopping. “São microempresários e existe uma carência financeira. Essas pessoas pegaram o FGTS, financiamento e investiram na maior dificuldade. Quando foi entregue não tinha nem banheiro funcionando, mas tinha o aluguel e o condomínio para pagar”, afirmou. 


“Existe um problema de estelionato no shopping”

Os comerciantes até tentam encontrar a saída para os prejuízos acumulados, sem sucesso. Alguns relatam, inclusive, que um mesmo box foi vendido para mais de duas pessoas. “Teve gente que perdeu as lojas para a administração, gente que já tinha montado a loja. Ele [Piñon] tomou e trocou fechaduras”, contou uma lojista, que preferiu não se identificar.

A declaração foi reforçada pelo presidente da associação. “Temos um processo criminal. Diversas lojas foram vendidas a três pessoas diferentes. É bom deixar claro que existe um problema de estelionato no shopping”, afirmou. Carlos Piñon Filho não foi encontrado para responder as acusações. Uma nova reunião com MP-BA está marcada para o dia 16 de agosto.


Gabriel Nascimento/Metro1

Paginas