Terreiro de candomblé na BA é invadido por homens armados e pai de santo é agredido com coronhada no rosto - Observador Independente

Acontecendo

Post Top Ad

Bem-vindo. Hoje é

Post Top Ad

Mário

13 de janeiro de 2019

Terreiro de candomblé na BA é invadido por homens armados e pai de santo é agredido com coronhada no rosto

Crédito da foto :: Instagram / Reprodução



Segundo a delegacia de Monte Gordo, na região metropolitana de Salvador, que investiga o caso, algumas vítimas já prestaram queixa. Babalorixá denuncia intolerância religiosa.


O Terreiro Ilê Axé Ojisé Olodumare, localizado em Barra do Pojuca, na cidade de Camaçari, região metropolitana de Salvador, foi invadido na noite de sábado (12), e pai de santo da casa foi agredido com uma coronhada no rosto. Segundo a delegacia de Monte Gordo, que investiga o caso, algumas vítimas já prestaram queixa.


Em nome do Babalorixá Rychelmy Imbiriba e todo Egbé do Ilê Axé Ojisé Olodumare viemos através dessa nota relatar mais um caso de violência e intolerância religiosa que infelizmente acometeu nossa família neste sábado (12.01.19). Hoje, durante a cerimônia pública em louvor a Osalá, nossa casa foi invadida por bandidos armados que além de levar os pertences dos presentes (Egbé e convidados) profanaram a nossa fé, desrespeitaram nosso espaço sagrado, o nosso culto e agrediram o fisicamente o Babà Rychelmy Esutobi. Nesse momento, lembramos do quanto a nossa religião foi duramente perseguida pelo Estado e pela polícia. É impossível não lembrar do nosso ancestral, nosso avô Pai Procópio de Ogunjá que tanto foi perseguido como alvo de violência policial. E, apesar de toda perseguição se manteve firme na fé e seguindo na religião. Hoje somos alvo da violência que assola toda a nossa sociedade, acrescida da violência religiosa. Apesar de todo ocorrido estamos bem e continuaremos contritos em nossa fé conforme nossos antepassados nos ensinaram. Pedimos desculpas aos presentes na festa por terem vivido esse momento de aflição em nosso espaço que tanto remete a paz e segurança. Tomaremos as providências cabíveis para que fatos como esse não mais ocorram em nosso Ilê Axé. Atenciosamente, Família Ojisé.
Uma publicação compartilhada por Casa Do Mensageiro (@casadomensageiro) em
De acordo com o Babalorixá [pai de santo], Rychelmy Imbiriba, seis homens encapuzados, dois deles armados, entraram no barracão gritando durante uma celebração religiosa a Oxalá. Nesse momento, o Babalorixá tentou conversar com o grupo, mas acabou sendo agredido com uma coronhada. No momento, havia 150 pessoas no local.
Babalorixá foi agredido com coronhada no rosto por bandidos — Foto: Reprodução

Ainda segundo Rychelmy, o grupo mandou que todas as pessoas deitassem no chão e entregassem os pertences, como celulares e chaves de carro. Algumas pessoas ficaram desesperadas e correram.

Entraram aqui, seis homens armados, botaram as pessoas que estavam assistindo aqui, no candomblé, deitadas no chão, os ‘santos’ [pessoas incorporadas com entidades] que ficaram foram sacodidas pelos elementos. Foi um momento de muita dor e reflexão, 
disse o Babalorixá.

O pai de santo contou que acredita que tenha sido um caso de intolerância religiosa, porque em todo o momento o grupo gritava palavras de ódio. "Vamos acabar com esse monte de macumbeiro", relatou o Rychelmy.

O que seria mais um dia de celebração a Oxalá, acabou se tornando um momento muito desgostoso para nossa comunidade. A gente foi vítima da violência, a gente foi vítima da intolerância religiosa, 
relatou Rychelmy em postagem no Instagram.


O Babalorixá e um fotografo ficaram feridos e foram levados para o Hospital de Monte Gordo, mas já foram liberados.

De acordo com Rychelmy, o terreiro existe há 15 anos, mas está em Barra de Pojuca há quatro anos e, até então, não teve nenhum registro de violência. O local fica aberto às quartas-feiras para atendimento e nos finais de semana, quando acontecem as celebrações religiosas.

Nosso povo negro é um povo que vem sofrendo intolerância desde sempre. E a gente vê o nosso sagrado profanado, nosso sagrado sendo agredido, dói muito, mas nos fortalece, 

disse o babalorixá. A Polícia Civil investiga o caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

Post Top Ad

SCB