Advogada acusa PM e delegado de agressão dentro de delegacia na Bahia - Observador Independente

Advogada acusa PM e delegado de agressão dentro de delegacia na Bahia

Compartilhar
Crédito da foto :: Divulgação



Caso aconteceu na madrugada deste domingo (3), em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador.


A advogada Thalita Coelho Duran acusou um policial militar e o delegado Giovani Paranhos Santos, plantonista da 23ª Delegacia, que fica em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, de ameaça e agressão física e verbal. Conforme a advogada, o caso ocorreu na madrugada deste domingo (3), dentro da unidade policial.

Thalita, que tem 30 anos, disse que o caso ocorreu quando a advogada acompanhava quatro rapazes que foram presos por policiais da 81ª CIPM, sob a acusação de tráfico de drogas.

A advogada relatou que, inicialmente, estava como representante de um dos jovens presos, mas acabou definindo com a família dos rapazes que ficaria como defensora dos quatro. Foi aí, segundo ela, que o delegado fez o primeiro insulto. "Ele disse: 'Agora você garantiu o seu honorário do fim de semana'. Eu não disse nada a ele", contou.

Thalita afirmou, ainda, que foi impedida pelo delegado de conversar a sós com os clientes, antes dos depoimentos. A advogada aponta que houve arbitrariedade na condução dos presos à delegacia, feita pelos PMs, e também no procedimento realizado na unidade policial, pelo delegado.

A advogada afirmou que, após as oitivas, só teve acesso ao documento de um dos depoimentos e o delegado pediu que ela assinasse os documentos dos quatro presso, sem ler. Ao questionar sobre o procedimento, ela diz que foi agredida verbalmente, e impedida de sair da sala.
Ele mandou eu calar a boca duas vezes. Me xingou. Foi quando peguei o celular e disse que ia filmar. Aí ele [delegado] abriu a porta para eu sair, e o PM veio para cima de mim. O delegado ficou dizendo: 'Vamos prender ela, vamos dar um flagrante nela?, 
relatou.

Thalita contou que o PM ainda a ameaçou e a empurrou, ao ver que a advogada fazia um vídeo, e chegou a apagar o arquivo do celular dela, mas ela conseguiu recuperar as imagens. "Ele [PM] disse: 'Você gravou meu rosto. Não troque as bolas não, que comigo o bagulho é diferente".

Thalita disse que após ser agredida pelo PM caiu no chão e machucou o ombro.

A advogada, que atua há 8 anos na área criminalista, acionou a Ordem dos Advogados da Bahia (OAB) e foi, acompanhada de um representante do órgão, na Corregedoria da PM, onde registrou o ocorrido. Thalita disse que vai registrar a situação também na Corregedoria da Polícia Civil.

Por meio da assessoria, a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) informou que as Corregedorias das Polícias Civil e Militar vão apurar a denúncia.

Post Bottom Ad

VivaABahia