Com 980 ocorrências em janeiro, Salvador tem média de um caso de agressão a mulheres a cada 45 minutos - Observador Independente

Com 980 ocorrências em janeiro, Salvador tem média de um caso de agressão a mulheres a cada 45 minutos

Compartilhar
Crédito da foto :: Padrão OBI / Divulgação



Dados foram divulgados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), com base nos registros das duas delegacias especiais de atendimento às vítimas de violência na capital.


Salvador registrou 980 casos de violência contra mulheres somente em janeiro de 2019, segundo dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), com base nos registros das duas delegacias especiais de atendimento às mulheres vítimas de violência na capital.

Com isso, a cidade teve uma média de um caso de agressão a mulheres a cada 45 minutos no mês. As ocorrências registradas incluem agressões, ameaças, estupros, entre outros tipos de violência. Em todo a Bahia, há 15 delegacias especializadas de atendimento à mulher. Em Salvador, a população conta com uma unidade no bairro de Periperi e outra em Brotas.

Todos os casos registrados nas delegacias de atendimento às mulheres vão para uma das sete Varas de Justiça do estado, que ficam nas cidades de Salvador (3), Feira de Santana, Vitória da Conquista, Itabuna e Ilhéus.

Os juízes decidem as ações a a serem adotadas para proteger a mulher, como medidas protetivas. Nos últimos dois, anos por exemplo, 8,913 medidas foram concedidas no estado.

Somente em janeiro de 2019, em todo o estado, as sete Varas registraram 14,973 denúncias de violência contra mulheres, de acordo com o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). No mesmo período do ano passado, foram 12.012 denúncias.

Especialistas acreditam que, apesar de o número de ocorrências ter aumentado, o que cresceu mesmo foi a visibilidade dada aos casos por meio das denúncias. Eles ainda defendem ações mais enérgicas para combater os crimes.
Juiz nenhum deve pagar para ver. Se a mulher chegou a procurar uma delegacia para expor a sua tão íntima, já que é violência praticada por alguém da sua afetividade, é porque ela chegou no seu ponto máximo. Então, o juiz deve ler aquele pedido de medida protetiva e, com certeza, na maioria dos casos, sem sombra de dúvidas, ceder a medida, porque aquilo pode salvar uma vida, 
afirma a desembargadora Nágila Brito, presidente da Coordenadoria da Mulher do TJ-BA.

Criada em 2015, a Ronda Maria da Penha visita de surpresa mulheres que estão com medida protetiva. Desde que surgiu, a Ronda já prendeu 145 homens flagrados desrespeitando as determinações da Justiça.

Post Bottom Ad

VivaABahia