Promotor do MP explica os próximos passos das investigações contra a Coofsaúde, em Feira de Santana - Observador Independente

Acontecendo

Post Top Ad

Bem-vindo. Hoje é

Post Top Ad

Mário

2 de fevereiro de 2019

Promotor do MP explica os próximos passos das investigações contra a Coofsaúde, em Feira de Santana

Promotor de Justiça Tiago Quadros / Crédito da foto :: Reprodução Acorda Cidade 



Segundo o promotor, cerca de dez pessoas foram presas e uma continua foragida.



O promotor do Ministério Público do Estado (MPE), em Feira de Santana, Tiago Quadros, informou em entrevista ao Acorda Cidade que continuam as investigações contra a cooperativa Coofsaúde, para apurar as denúncias de fraudes relacionadas a lavagem de dinheiro e organização criminosa, no âmbito da operação Pityocampa.


De acordo com ele, no primeiro momento foram oferecidas duas denúncias. “Estão sendo realizadas oitivas, o material apreendido está sendo analisado, deve ser considerado um montante significativo de material que foi apreendido nas buscas e apreensões e isto está sendo submetido a uma análise de avaliação para que viabilize os próximos passos da atuação. O processo de denúncia formulada foi recebido pelo judiciário, e os réus serão citados para poder apresentar suas defesas”, adiantou Tiago Quadros.

Segundo o promotor, cerca de dez pessoas foram presas e uma continua foragida, que é o contador Robson Xavier de Oliveira, o qual teria orientado a lavagem de dinheiro. Alguns dos presos receberam o benefício da prisão domiciliar, e o Ministério Público pleiteia a transferência do empresário Salomão Abud do Valle, que teria criado empresas de fachada utilizadas para realizar a lavagem de dinheiro, da prisão em Fortaleza para a Bahia, a fim que seja ouvido pelo órgão em Feira e esteja mais próximo dos seus familiares.

Eles continuam presos porque o judiciário acatou o pedido do Ministério Público de prisão preventiva. A preventiva não estabelece um prazo pré-estabelecido, específico. Se entendeu que para que as investigações tivessem êxito era importante que estivessem segregados, foi isso que o judiciário acatou. Não há uma especificação de prazo, eles estarão presos até quando os requisitos da preventiva constatarem o que são estabelecidos em lei, 
explicou.

O promotor Tiago Quadros destacou que as investigações são coordenadas pelo Gaer, em Salvador, que é o grupo de combate à organização criminosa, que diligencia, viabiliza os trabalhos e acompanha as ações que correm na vara especializada em Salvador, em conjunto com o promotor titular de Feira de Santana. Ele afirmou ainda que neste momento estão sendo investigados os entes políticos.

O representante do MP ressaltou também que diante das irregularidades apuradas durante a operação Pityocampa, o órgão deve investigar outras cooperativas.

A operação Pityocampa foi uma junção de esforços da Controladoria Geral da União, da Receita Federal e do Ministério Público, ou seja, diversas instituições tinham nos seus radares irregularidades praticadas por uma cooperativa específica e efetivamente algumas práticas são reproduzidas por outras cooperativas e outras devem ser igualmente apuradas e investigadas.

Post Top Ad

SCB