Governador Rui Costa defende reduzir o Carnaval; “não precisa de tantos dias” - Observador Independente

Acontecendo

QRCode

3 de março de 2019

Governador Rui Costa defende reduzir o Carnaval; “não precisa de tantos dias”

Crédito da Foto: Aratu Online


Redação

Fonte - Cris Almeida



Em coletiva concedida para a imprensa neste domingo de Carnaval (3/3), o governador Rui Costa (PT) revelou que é a favor da redução de dias da festa. Para o petista, o formato anterior já é suficiente para a folia ser “grandiosa”. “Eu acho que voltando ao que era o padrão anterior ele consegue ter o mesmo fluxo de turistas e consegue, na minha opinião, ter um custo menor tanto para a Prefeitura quanto para o Governo do Estado”.

Rui destacou, porém, que não cabe a ele a decisão. “Não posso falar muito sobre redução porque não cabe Estado, cabe à Prefeitura de Salvador. São visões diferentes, eu acho que a festa tem que ser grande, esplendorosa, mas não precisa de tantos dias. O que presenciamos aqui é que aumentando o número de dias, não necessariamente você traz mais gente”, disse, se referindo ao primeiro dia oficial da festa, na última quinta-feira (28/2).

Ainda segundo ele, foram investidos R$ 80 milhões na festa. “Somando todas as áreas o investimento está nessa ordem, isso inclui remuneração dos policiais, isso quer dizer R$ 46 milhões só na área da segurança e mais ou menos R$ 34 milhões com atrações de artistas e patrocínios diversos do Carnaval”.

O prefeito ACM Neto (DEM) e o presidente do Conselho Municipal do Carnaval (Comcar), Pedro Costa, já descartaram a possibilidade de redução da festa.

ENCONTRO COM LULA

Neste sábado (2/3), o governador esteve em São Paulo para acompanhar o velório do neto do ex-presidente Lula (PT), Arthur Araújo Lula da Silva, de 7 anos, vítima de meningite. De acordo com Rui, o cacique do Partido dos Trabalhadores estava fortemente abatido. “Era o neto mais chegado a ele, sempre o visitava na prisão, era o xodó dele e vice e versa. Eu nunca vi o Lula tão abatido como tava ontem”.

Rui criticou, ainda, a postura do filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), Eduardo Bolsonaro, que chegou a debochar da morte do neto do ex-presidente. 

“Fico perplexo de ver pessoas que parecem que são vazias de qualquer valor humano. Acho impossível que alguém que comemora a morte de uma criança de 7 anos tenha algum valor digno ou até fé em Deus. Eu não desejo mal para adversário nenhum meu, só fico triste de saber que existe ser humano assim”.




AratuOnline
-->