ARTIGO 👹 Nunca atraia pra si o ódio das multidões ou você será destruído. Duvida? Pergunte à historia ! - Observador Independente

Acontecendo

Post Top Ad

Bem-vindo. Hoje é

3 de abril de 2019

ARTIGO 👹 Nunca atraia pra si o ódio das multidões ou você será destruído. Duvida? Pergunte à historia !




Você pode até não acreditar, mas se vacilar será destruído pelo ódio mortal das pessoas que o cerca, sem apelação, inconscientemente, apenas pelo desejo manifestado para o universo ao longo de algum tempo. Portanto, a melhor atitude na convivência humana do dia a dia tem que ser a da extrema cautela em sair das várias situações cotidianas sem gerar ódio.

***


Não se trata apenas de retórica. As provas encontradas ao longo da história demonstram a assertiva do pensamento filosófico de alguns setores, que afirmam ser o ódio o pior elemento que você pode atrair para si. 

Nos exemplos clássicos da história humana, vemos dezenas, centenas de líderes, políticos ou não, que atraíram para si o ódio das massas e acabaram sentindo o peso esmagador da fúria energética que emana das mentes do todo, no caso as massas que te odeia. 

Não se trata apenas daquele ódio entre namorados, marido/mulher, irmãos, ou qualquer ser humano, que em dado momento se desentende com seu interlocutor e fica com 'raiva'. Neste caso, o ódio é leve, único, o que se chama comumente de 'raiva'. Até certo limite, inofensivo.

Isto não incomoda. O que falamos é de ódio de verdade. Aquele ódio mortal, aquela fonte de energia destrutiva permanente emanando energia negra na sua direção. Não vou entrar no mérito científico e das discussões sobre se é real ou não. Pois é tão real quanto a luz do sol, aliás, conhecido em algumas culturas e círculos como sol negro. 

O que preciso dizer é que tenho ao longo da vida, guardado e anotado, dezenas de fatos e provas que não deixam dúvidas: o ódio quando direcionando, seja em uma explosão momentânea e verdadeira ou seja ao longo de algum tempo, realmente destrói, corrói, mata. Na história, este ódio mortal é muito usado pelos adeptos do Vodu.  

Nada mais antigo, comum e animalesco do que sentir raiva. Quem nunca foi invadido pelo primitivo desejo de querer bater, acabar, matar (ainda que no imaginário), querer o pior para alguém que tenha entrado um dia na nossa vida e nos tenha feito mal, prejudicado, traído ou coisa semelhante? 

No estágio mais agudo, este sentimento ganha uma versão extrema e perigosa: o ódio! Que é capaz de cegar e despertar os mais primitivos instintos, afinal, literalmente, o ódio mata. Mata pessoas, relacionamentos. Destrói nações, fomenta guerras, cria insensatez tal que religiões travam sangrentas disputas por séculos.

Somos muito mais propícios ao ódio do que ao amor, à ofensa do que o perdão, ao egoísmo e ao altruísmo. Ainda estamos mais para seres animais que divinos, é mais reflexivo atacar que pacificar e ser ponderado. Digo tudo isso para convida-los a fazer um raio-X daquilo que não vemos, mas sofremos física, psíquica e espiritualmente: Os vapores do ódio.

Muitas pessoas são banidos da vida pública aparentemente sem explicações. Por que será que aquele rapaz ou moça inteligentes, bonito, que se lançaram no mundo da politica, da música, do cinema e televisão, inexplicavelmente foi devorado?  O ódio, neste caso, levado até a pessoa pelo canal da inveja a devorou inexoravelmente.

Como acontece ?

Começo por lembrar que o nosso computador, o cérebro, é um processador da mente humana escravo do que nossos pensamentos, sentimentos e desejos projetam. É um imenso projetor de vários tipos de ondas eletromagnéticas de alta potência. 

Estranho o que vou dizer, mas reflitam: A realidade é discutível e até algumas pessoas afirmam que ela não existe. Cada um de nós, a cada segundo, ao projetar e perceber os estímulos sensoriais, cria um "filme" pessoal e ao mesmo tempo o assiste. 

Exemplo: uma mãe preocupada com seus filhos adolescentes numa balada, apavorada com o fato de eles não terem chegado, acorda e imagina que com eles houve um acidente, que eles morreram, foram assaltados, estão usando drogas, enfim, só tragédia.

Enquanto a mente atormentada dessa mãe sofre por antecipação, o cérebro responde a isso em tempo real e assim gera nessa senhora uma preparação trágica, e a sua química cerebral responde ativando um estresse indescritível para ela e uma angustia avassaladora. Produz também outro tipo de energia. A energia depreendida  no terreno material irá produzir no universo a sua vontade, primeiro criando uma lei que não poderá ser revogada, depois executando esta lei, cá embaixo.

Assim tudo que você produzir na sua mente na terra terá seu equivalente no Universo. Assim em Cima, como em baixo. Aprenda mais.

Na maioria dos casos, a projeção leva algum tempo devido à sua complexidade, para se organizar e virar uma lei sobre o que deve acontecer, mas com demora ou não, vai acontecer, por que você ordenou inconscientemente que acontecesse com seus próprios filhos. Você definiu através destes mecanismos o destino futuro destas pessoas. Eles jamais ficarão sabendo. 

Neste tempo, os filhos chegam sãos e salvos, felizes. O que foi real por horas para a mãe? O "filme de terror", onde ela teve um velório litro-químico cerebral. E o real para os filhos? Uma belíssima balada. Cada um sempre criará sua realidade e dela resultará uma vida de "suspenses, tragédias, terror, comédia ou romance". O pior é que a bala, digamos, disparada contra os filhos está em vigor. Serão mortos em um assalto. Essa foi a sentença daquela mãe. 

Caso concreto no mundo político, o ex-presidente Lula apareceu com um câncer de garganta. Primeiro aviso que o ódio das multidões o consumia. Depois veio varias mortes na família. Segundo aviso que o ódio das multidões e as energias destrutivas já se apossaram do seu ser e o devoram gradualmente. A prisão, o isolamento político, entre outras variáveis, o consome por dentro. Percebendo isso, muitos amigos o abandonaram para não se contaminar. É inexorável, o ex-presidente será consumido pelo ódio, independente da sua condição de político ou não.

Não viverá mais de três anos por mais que a medicina o ajude. É inexorável. O ódio não pode ser combatido com mais ódio. Outra figura do mundo político que vem sendo gradativamente sendo consumida pelo ódio a Gleisi Hoffmann. O destino desta jovem mulher - a loucura insondável, irreparável - é insuportável, a tal ponto que se suicidará. 

Mire-se nos exemplos das mulheres de Atenas

Analise quantos homens, mulheres, importantes ou não, de renome ou não, que você vê sucumbir de repente, sem explicações. Temos um codinome para isso: Foi devorado por si mesmo quando atraiu para si o ódio mortal das multidões. 

Não é o caso de se discutir todas as teorias, conceitos, formas e métodos existentes sobre a força do ódio despejada sobre um ser vivo e seu potencial destrutivo. O que queremos passar é apenas um alerta: o ódio existe, é palpável, é real e destruidor. 

Podemos afirmar meus caros, não há sentimento mais pesado, denso e infernal que o ódio. Se pudéssemos acompanhar os raios e trovoadas que ocorrem no cérebro na sua transmissão eletrônica-química, quando estamos dominados pelo ódio, seria de causar espanto as tormentas e tempestades mais severas observador por meteorologistas em dias de rigor em mar aberto.

Você também sofre

O coitado do sistema límbico, que administra emoções e estresse, entra em pane. Todos os alarmes tocam e, assim, quem esta "possuído" por esse tsunami assassino da raiva e ódio entra em colapso. Insônia, coração disparado, aperto no peito, falta de ar, pressão nas alturas, "soltando fogo pelas narinas ". Você também sofre com isso. 

O corpo fica numa adrenalina negativa, matar ou morrer, não há juízo crítico de realidade. Esse disparo de hormônios, que muda o funcionamento de todo o corpo, gerará sintomas que podem se cronificar. Agora imagine uma raiva, um ressentimento, um ódio constante, de longa data, que a cada dia é ruminado, atualizado, aumentado, e conduzido para o outro lado, ou seja, para aquela pessoa que é odiada?

O ódio é significativamente maior e mais devastador quanto maior for a proximidade entre as partes. Muitos homens públicos em décadas passadas mantinham sempre por perto pessoas entendidas neste princípios que os alertavam quando a carga estava alta. 

Na Bahia, por exemplo, existem relatos de vários políticos que mantinham contatos estreitos com antigos membros de castas nagôs praticantes de rituais vodus de limpeza espiritual. Não é uma questão de religião. É uma questão científica, pode apostar. 

Está cientificamente comprovado que o ódio poder ser na maioria das vezes o grande pontapé inicial para várias doenças, inclusive o câncer em suas diversas modalidades. A carga energética negativa que você despeja sobre uma pessoa vai, com certeza, influenciar para que as suas células comecem a adoecer o que certamente causará o câncer. 

Mas não vamos entrar no mérito desta questão agora. O fato é que, demonstrado o poder do ódio contra inimigos visíveis ou invisíveis, e as consequências obvias para você próprio, em dado momento você terá de decidir se, ao querer destruir o seu rival aceitará também que uma parte da sua própria vida seja comprometida. 

Se assim o fizer - quer dizer, aceitar - basta aprender como direcionar torpedos de ódio mortal contra seus adversários e inimigos o que será tratado em outro tempo e artigo. 

Você pode até não acreditar, mas se vacilar será destruído pelo ódio mortal das pessoas que o cerca, sem apelação, inconscientemente, apenas pelo desejo manifestado pelo universo contra você ao longo de algum tempo.

Essa experiencia já foi realizada por mim e conduzida ao longo de seis meses com dois colaboradores e ficou provado que, por palavras ditas por cada um de nós, a reação das pessoas ao nosso lado tende a ser de ódio. Cerca de 95% das pessoas, simplesmente, na sua frente, lhe dão os parabéns pelo carro novo, pela faculdade, pelo novo emprego, etc. Mas por dentro, lá no recôndito do seu ser, elas sentem inveja mortal, ou seja, ódio destilado contra a sua conquista.

Portanto, a melhor atitude na convivência humana do dia a dia tem que ser a da extrema cautela em se sair das várias situações cotidianas sem gerar ódio.   


-->