Encontro indígena com Bolsonaro deve reunir 5.000 em Brasília - Observador Independente

Encontro indígena com Bolsonaro deve reunir 5.000 em Brasília

Compartilhar

Folhapress


Realizado desde 2004, o Acampamento Terra Livre, maior encontro de líderes indígenas do país, ocorrerá neste ano pela primeira vez na capital federal em um cenário de animosidade.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) chamou a reunião anual de um “encontrão” e disse que será o contribuinte quem pagará as despesas com transporte e hospedagem dos índios.

“Nós queremos o melhor para o índio brasileiro, que é tão ser humano quanto qualquer um que está aqui na frente de vocês agora. Mas essa farra vai deixar de existir no nosso governo”, disse o presidente, em live nas redes sociais.

Na última quarta-feira (17), com receio desse encontro, o governo federal autorizou que a Força Nacional realize a segurança da Esplanada dos Ministérios e da Praça dos Três Poderes em período coincidente ao evento indígena.

“É a primeira vez que ocorre comportamento antecipado de tentar impedir a chegada das delegações. É uma forma clara de impedir uma manifestação”, disse a coordenadora-executiva da APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), Sonia Guajajara.

A expectativa é a de que o encontro reúna de 4.000 a 5.000 indígenas, em um acampamento montado na Esplanada. Os participantes começam a chegar em Brasília na noite de terça-feira (23) e permanecem até sexta-feira (26).

“Nós pretendemos instalar o acampamento na Esplanada dos Ministérios mesmo, porque não há motivo de a gente se esconder, já que são eles quem estão nos ameaçando”, afirma Sonia Guajajara.

Segundo ela, Bolsonaro está equivocado ao dizer que será o contribuinte quem pagará despesas, como hospedagem e transporte, uma vez que o encontro indígena é financiado todos anos por uma campanha de arrecadação.

“Nós nunca tivemos financiamento com dinheiro público ou apoio de governo federal. Em todos os anos, fazemos uma campanha de arrecadação para promover o encontro e instalar o acampamento.”

Como todos os anos, o propósito do encontro é fortalecer a identidade indígena e unificar o discurso. Com as mudanças implementadas pela gestão atual, no entanto, a lista de reivindicações aumentou.

Neste ano, o movimento irá protestar contra a transferência da Funai da pasta da Justiça para a de Direitos Humanos e a mudança da atribuição de demarcação de terras indígenas para a Agricultura.

A mobilização também é contrária a parte do atendimento à saúde indígena ser repassada a estados e municípios e ao discurso do presidente de integrar comunidades indígenas à sociedade. “Eles dizem que temos de ser integrados para sermos cidadãos, mas não pedimos isso”, disse Guajajara.


Crédito da foto :: Marcelo Camargo/Agência Brasil 


Post Bottom Ad

VivaABahia