Hotéis da capital baiana têm média de 66% de ocupação no mês de março - Observador Independente

Hotéis da capital baiana têm média de 66% de ocupação no mês de março

Compartilhar

A rede hoteleira de Salvador apresentou em março taxa de ocupação de 66,12%, permanecendo praticamente estável se comparada com o mesmo período do ano passado (65,10%). As informações são da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, seção Bahia (ABIH-BA).

***

Segundo a ABHIH-BA, a Diária Média em março de 2019 foi de R$ 380,36, refletindo o efeito positivo do carnaval e da entrada de novos hotéis de luxo na cidade. O resultado é considerado um dos melhores dos últimos anos, por ter gerado um Revpar (indicador ponderado de taxa de ocupação e diária média) de R$ 251,49.

Os efeitos positivos do Carnaval foram sentidos particularmente no polo hoteleiro da Barra-Rio Vermelho, que apresentou os melhores resultados, seguido pelo polo de hotéis do Centro-Pelourinho, Pituba-Stiep e Itapuã-Stella Mares.

Comparando-se o primeiro trimestre de 2019 com igual período do ano anterior, verifica-se que a ocupação média de 2019 (70,97%) manteve-se praticamente estável em relação a 2018 (71,66%), enquanto a diária apresentou crescimento de 21,12% (passando de R$ 261,10 em 2018 para R$ 316,25 em 2019). Como resultado, o Revpar do primeiro trimestre de 2019 teve um incremento de 19,3%, passando de R$ 186,90 em 2018 para R$ 223,04 em 2019, segundo os dados oficiais do setor apurados pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, seção Bahia (ABIH-BA).

Para Glicério Lemos, presidente da ABIH-BA, este resultado é fruto do grande esforço de divulgação do destino realizado em parceria entre hotéis e Prefeitura. “Tivemos a abertura de dois novos hotéis pertencentes a um segmento de alto luxo, atraindo um público diferenciado e contribuindo para a elevação na diária média. Atrelado a isso, tivemos um Carnaval com excelente programação e ocupação, com início no final de fevereiro e continuação em março, o que intensificou este bom desempenho”, afirma.

“Começa agora a temporada de baixa estação, aonde são maiores os desafios para nosso segmento, uma vez que o único centro de convenções de grande porte da cidade ainda está em fase de construção. Semana Santa, Copa América e as férias de julho serão períodos em que haverá tendência de melhora na taxa de ocupação e fluxo de turistas”, acrescenta Lemos.

Os números são fruto da Pesquisa Conjuntural de desempenho (Taxinfo), realizada em parceria entre a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – seções Bahia e Brasil. Os dados são fornecidos diariamente pelos próprios hotéis ao Portal Cesta Competitiva e a média resultante constitui indicador para avaliar a evolução da atividade de hospedagem em nossa capital.



Reprodução / Google Street View 


Post Bottom Ad

Apostilas Opção