Micareta de Feira: vendedores ambulantes serão revistados pela PM; venda de todas as marcas de cerveja está liberada - Observador Independente

Micareta de Feira: vendedores ambulantes serão revistados pela PM; venda de todas as marcas de cerveja está liberada

Compartilhar


Com relação a plotagem nos camarotes e barracas da festa, será necessário ter licença da prefeitura.

Os vendedores ambulantes poderão vender qualquer marca de cerveja no circuito da Micareta de Feira de Santana deste ano, que será realizada entre os dias 25 e 28 de abril. Conforme ressalta o secretário municipal de Cultura, Esporte e Lazer, Edson Borges, como não há patrocínio de cervejaria neste ano, também não há exclusividade de marcas.

O Edson Borges frisou ainda que dois itens não mudaram. Apenas poderão ter barracas na avenida os barraqueiros que participaram da licitação e estão pagando pelos espaços. Quanto aos ambulantes que comercializam nos kits de isopor, também só poderão participar da festa, os que participaram da licitação e pagaram.
A gente sabe que a situação é difícil, os ambulantes precisam desses momentos de festas populares, de festas nas ruas para vender a sua cerveja, para batalhar pela sobrevivência e lamentavelmente também a gente sabe que a avenida não tem espaço para todos. Por isso precisamos ter certa disciplina, não só para o trio elétrico circular, o folião circular, mas pela segurança da festa. Se a gente encher demais a avenida, se não houver um controle, fica tudo mais difícil para se organizar, mas todos estão livres para vender a marca da cerveja que quiser, 
explicou.

Fiscalização

O secretário Edson Borges afirmou que a secretaria vai realizar fiscalizações durante os dias de Micareta para saber se os vendedores nos kits de isopor estão devidamente cadastrados. Segundo ele, também haverá fiscalização do Ministério Público do Trabalho (TEM) com o intuito de combater a exploração do trabalho infantil.

“O Ministério Público do Trabalho, me chamou, nós assinamos dois termos de conduta, no sentido de o MPT fechar a barraca que estiver explorando a atividade infantil, tendo criança ou adolescente trabalhando. Se houver o flagrante, a barraca vai ser fechada no dia e o barraqueiro vai poder abrir somente no outro dia. Isso pra ele não ter prejuízo, mas não pode reincidir, senão ele não vai poder participar da licitação do ano que vem. É determinação do MPT e eu não vou poder desrespeitar isso, então por gentileza não botem crianças e adolescentes trabalhando nas barracas porque vai ter a fiscalização”, salientou em entrevista ao Acorda Cidade.

Segurança

O secretário ainda falou sobre a segurança no circuito da festa. Segundo ele, a Polícia Militar vai fiscalizar a entrada dos ambulantes no circuito da Micareta para evitar a entrada de objetos proibidos. Ele também comentou sobre as novidades anunciadas pela polícia para a Micareta deste ano.

“A PM já está atenta a isso, esse assunto já foi tratado em reuniões de fiscalizações preventivas e claro que hoje a polícia está atenta, está muito vigilante, fiscalizando. Vem surpresa por aí, eu não posso dizer, claro porque é uma estratégia da polícia, mas a surpresa será na questão de fiscalização da atuação da PM no circuito. O que posso dizer é que a PM já lançou que vai ter as câmeras de reconhecimento facial e não adianta o cara tentar entrar disfarçado, e a outra novidade para esse ano é aquela plataforma no centro do canteiro onde as patrulhas ficarão, acabou aquele negócio de circulação das patrulhas no meio do folião e vai facilitar muito”, afirmou.

Plotagem no circuito da festa

Com relação a plotagem nos camarotes e barracas da festa, Edson Borges informou ao Acorda Cidade que tem que ter licença da prefeitura. De acordo com ele, mesmo com a licitação de patrocínio deserta, existem cotas que devem ser pagas a prefeitura e as pessoas não estão livres para fazer a plotagem com a marca que quiser.

“Está havendo um credenciamento de empresas interessadas que queiram plotar toda a avenida e em contrapartida tem direito a aplicação da marca, mas tem que pagar a cota de 150 mil reais. Se não aparecer uma empresa dentro do prazo, a prefeitura que vai fazer tudo e colocar a marca a própria marca”, esclareceu.


Com informações dos repórteres Aldo Matos e Andrea Trindade do Acorda Cidade / Foto :: Bahia no Ar

Post Bottom Ad

VivaABahia