Odebrecht perdeu queda de braço com Dilma e Toffoli. Ministro agora cobra vingança. Crusoé reitera teor da reportagem - Observador Independente

Odebrecht perdeu queda de braço com Dilma e Toffoli. Ministro agora cobra vingança. Crusoé reitera teor da reportagem

Compartilhar

A revista diz que reitera o teor da reportagem.


O empreiteiro Marcelo Odebrecht disse à Polícia Federal que não saberia explicar as tratativas que a construtora Odebrecht fazia com o então advogado-geral da União, Dias Toffoli, em 2007 —quando se referia a ele, em emails internos, como “amigo do amigo de meu pai”. As informações são da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo.

A publicação relata que Marcelo travava uma queda de braço pessoal com a então ministra das Minas e Energia, Dilma Rousseff, em torno do leilão das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira. Toffoli participava das conversas.

Segundo profissionais da empreiteira envolvidos nas tratativas da época, Marcelo Odebrecht perdeu a parada. Ao contrário do que desejava, o governo liberou subsidiárias da Eletrobrás para participar de consórcios concorrentes aos da empreiteira nos leilões.

A colunista lembra que Toffoli diz que as “insinuações” da Crusoé, que publicou os e-mails de Odebrecht, sobre a atuação dele são “inverdades”. O ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou que o texto sobre Odebrecht e Toffoli fosse retirado do ar. A revista diz que reitera o teor da reportagem.

Crédito da foto :: Loja de Suplementos / Reprodução

Post Bottom Ad

VivaABahia