Sob fogo cerrado do próprio partido, PT, Rui Costa se reune com reitores sobre greve nas universidades estaduais - Observador Independente

Sob fogo cerrado do próprio partido, PT, Rui Costa se reune com reitores sobre greve nas universidades estaduais

Compartilhar

O governador Rui Costa (PT) se reúne nesta segunda-feira (8), na sede da Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), com os reitores das três universidades estaduais em greve no estado. 

O encontro com os gestores da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) e Universidade do Estado da Bahia (Uneb) vai acontecer durante à tarde para tratar da questão orçamentária. 

O reitor da Uneb confirmou presença na reunião. “Eu já marquei segunda-feira à tarde uma reunião com os reitores pra alinhar a questão do orçamento e execução orçamentária. Eu vou continuar o meu jeito de governar com seriedade, com responsabilidade, esse é o meu jeito de ser e eu não vou mudar”, disse Rui, sábado (6), durante a entrega do novo trecho da Avenida 29 de março, que liga a BR-324 à orla, na altura de Piatã.

Desde a última quinta-feira (4), as três universidades aprovaram greve por tempo indeterminado. A partir de terça-feira (9), mais de 40 mil alunos das três instituições ficarão sem aulas. Os estudantes, no entanto, apoiam a decisão dos professores. 

A deflagração da greve, segundo os docentes, é resultado da falta de negociação por parte do governo do estado, que em nota se disse surpreso com o anúncio. Os docentes alegam desrespeito aos direitos trabalhistas, como a não promoção, progressão e alteração de regime de trabalho de docentes, que, nos últimos anos, conseguiram elevar de grau no que se refere aos títulos acadêmicos. 

Eles se queixam de há seis anos não terem aumento de salário acima da inflação, o que, segundo eles, só ocorreu em 2013, quando houve reajuste de 7% no salário base – na docência, o menor valor é de R$ 1.727,54, de professor auxiliar 20h – início de carreira. 

Eles querem a recomposição de valores decorrentes das perdas com a inflação, ocorrida a última vez em 2015. Os professores afirmam que, “há quatro anos sem a recomposição, os salários já sofreram perdas que superam 25%”. As informações são do jornal Correio*.



Crédito da foto :: Padrão OBI / Divulgação
Política Livre

Post Bottom Ad

VivaABahia