Após morte de bebê na recepção, MP verifica irregularidades na maternidade do Hospital Geral de Camaçari - Observador Independente

Acontecendo

Post Top Ad

Bem-vindo. Hoje é

Post Top Ad

Mário

13 de agosto de 2019

Após morte de bebê na recepção, MP verifica irregularidades na maternidade do Hospital Geral de Camaçari




O ‘Projeto Cegonha: Efetivando a Dignidade’ visitou na quinta-feira (8), a maternidade do Hospital Geral de Camaçari (HGC), na Região Metropolitana de Salvador. Na inspeção, a coordenadora do projeto, promotora de Justiça Mirella Brito, detectou uma série de problemas estruturais e de falta de pessoal.

Segundo o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-Ba), a fiscalização, realizada pelo Projeto Cegonha, foi motivada pela notícia de que uma gestante deu à luz um bebê natimorto antes de conseguir atendimento na unidade. 

A diretora-geral do HGC, Maria Del Carmen, explicou que a paciente foi atendida rapidamente, porém, “como o feto já estaria morto há mais de 24 horas, o trabalho de parto ocorreu em cinco minutos, antes que ela tivesse acesso ao centro cirúrgico”. A inspeção teve acompanhamento dos servidores do Centro de Apoio Operacional da Saúde Pública (Cesau), Candice Lisboa e Rafael Costa, e da servidora da Promotoria de Justiça de Camaçari, Denise Brito. 

Com 40 leitos para parto e seis para internamento, a maternidade conta com uma equipe de três médicos obstetras, dois anestesistas e três enfermeiras obstetras. Dentre os problemas encontrados, a promotora destacou o atraso nas obras de construção do prédio próprio da maternidade, que funcionará ao lado do HGC. 

“O cronograma da construção está mais de seis meses atrasado, o que pode impactar na entrega do equipamento, que atenderá gestantes de alto risco da Região Metropolitana de Salvador”, destacou Mirella Brito, que conversou com o encarregado da obra e um representante da Conder.

Também foi observado que a recepção da maternidade é a mesma para pacientes de urgência e emergência, infiltrações no ambiente, aparelhos de ar-condicionado quebrados nas salas de parto, o não funcionamento 24 horas do setor de classificação de risco que estava com computadores quebrados, inclusive o utilizado pela equipe de regulação, atrapalhando no processo de transferência de pacientes de alto risco. 

A promotora de Justiça informou que fará o encaminhamento do constatado para análise do Centro de Apoio às Promotorias de Justiça de Moralidade Administrativa e Defesa do Patrimônio Público (Caopam) e do Ministério Público Federal.



Foto :: Reprodução / Ilustrativa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

Post Top Ad

SCB