Comunidade Quilombola em Campo Formoso recebe investimentos da Codevasf - Observador Independente

Acontecendo

Post Top Ad

Bem-vindo. Hoje é

Audima

13 de agosto de 2019

Comunidade Quilombola em Campo Formoso recebe investimentos da Codevasf



A Codevasf está investindo nesta ação mais de R$ 3 milhões, oriundos do Orçamento Geral da União, repassados à companhia por meio de emendas parlamentares. Em Campo Formoso serão beneficiados ainda os povoados de Baixio, Curral, Caraíba, Lagoa da Roça, Pauzinhos e Torrões. 

Serão pavimentados cerca de 13.085 m² de vias. Em Laje dos Negros, a Codevasf deverá estruturar ainda 3.600 m² da avenida principal de acesso à localidade, o que evitará a exposição da população à poeira e à lama, contribuindo consequentemente para a melhoria da saúde coletiva.

Com a melhoria do acesso ao povoado, o agricultor Rosinaldo Marcionílio Macedo comemorou. "Vai melhorar os deslocamentos da gente que mora aqui e também de quem vem de fora. Isso é muito bom para nós", declarou. Ele mora na rua Beira Rio, que foi beneficiada com as obras de drenagem e o calçamento.

Os resultados dos investimentos realizados pela Codevasf também foram destacados pelo superintendente regional da Codevasf em Juazeiro Elmo Nascimento. "Esta obra também vai melhorar o acesso de estudantes às três escolas públicas locais e facilitar a locomoção de pessoas e veículos até o posto de saúde. Desta maneira, a Codevasf está contribuindo para que as pessoas tenham uma qualidade de vida melhor. É uma obra simples, mas de grande importância para a comunidade de Laje dos Negros", afirmou.

Segundo os moradores, a comunidade quilombola de Laje dos Negros foi fundada por um ex-escravo há cerca de 200 anos e serviu de refúgio para outros que fugiam das fazendas próximas. Esta história ainda hoje é repassada para as crianças da comunidade. O povoado está localizado a aproximadamente 100 Km da sede do município de Campo Formoso.

São cerca de 8 mil moradores que sobrevivem da pequena agricultura. As famílias produzem a farinha de mandioca, feijão, milho, mamona e beneficiam o sisal. A fibra de sisal é muito procurada naquela região. As mulheres também se dedicam ao artesanato em palha de licuri, uma planta nativa da região.


Foto :: Ascom Codevasf 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->