Após grupo da polícia deflagrar greve, MP é acionado para investigar “terrorismo” na Bahia - Observador Independente

Acontecendo

Post Top Ad

Bem-vindo. Hoje é

Post Top Ad

Mário

11 de outubro de 2019

Após grupo da polícia deflagrar greve, MP é acionado para investigar “terrorismo” na Bahia



Na reunião também foram apontados processos antigos e atuais que responde Soldado Prisco.


O Ministério Público foi acionado pelo governo para investigar atos considerados de terrorismo na Bahia, após um grupo de policiais militares decretar greve no estado. Nesta quinta-feira (10), o governador Rui Costa (PT) se reuniu com membros dos Ministérios Estadual e Federal para solicitar a investigação e a adoção de medidas cabíveis sobre os recentes ataques criminosos promovidos por bandidos em Salvador e algumas cidades do interior.

Na reunião também foram apontados processos antigos e atuais que responde o presidente da Associação dos Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), o deputado estadual, Soldado Prisco (PSC).

“O presidente da associação já responde a processo contra a lei de segurança nacional, já vinha também respondendo ações cíveis de bloqueios e de suspensão de suas atividades e diante do que nós estamos vendo, até dos áudios que foram veiculados de ontem para hoje, ele pedindo que policiais fossem armados, ostentassem suas armas contra qualquer ação feita pelo estado legalmente, ou seja, incitação a violência e a prática de atividades criminosas”, afirmou o titular da Secretaria da Segurança Pública (SSP), Maurício Barbosa.

Conforme Barbosa, estão em execução ações para defender os policias de qualquer tipo de assédio, como o que foi registrado nesta madrugada, quando viaturas foram atacadas por bandidos. “É importante dizer que temos elementos que estão sendo trazidos e coletados não só pela inteligência e a cada dia a gente vem atualizando o desenrolar do dito movimento associativo levado pela Aspra e por Prisco pra que a gente adote as medidas judiciais cabíveis”, ressaltou.



Foto: divulgação/MP-BA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

Você e mais 133 mil pessoas estão recebendo esta matéria por sistema de Whatsapp. Se não quiser continuar recebendo mande solicitação de retirada do seu nome da listagem.

Biblioteca