DEM frustra desejo de Targino Machado, abre mão de candidatura própria e cria racha em Feira de Santana - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

18 de setembro de 2020

DEM frustra desejo de Targino Machado, abre mão de candidatura própria e cria racha em Feira de Santana



Um imbróglio nas eleições de Feira de Santana tem dividido o Democratas na ‘Princesa do Sertão’. Um dos maiores partidos baianos vive um clima de tensão entre figuras carimbadas do município. De um lado, o ex-prefeito José Ronaldo, com forte influência no partido. Do outro, o deputado estadual Targino Machado, que não conseguiu apoio dos seus pares para concorrer à prefeitura e decidiu revidar, se unindo ao pré-candidato da oposição, Carlos Geilson (Podemos).


As alianças foram rompidas após José Ronaldo não liberar o apoio da legenda para Targino e não permitir a sua saída do DEM. Ao invés disso, ele decidiu se unir ao atual prefeito, Colbert Martins (MDB), que busca a reeleição. Desde então, uma série de críticas e até representação no Ministério Público foram direcionadas contra o atual e o ex-prefeito. Segundo o deputado, a atual administração estaria priorizando a contratação da empresa Sustentare Saneamento S/A, por meio de dispensa de licitação.

Colbert Martins (MDB) acompanhado de Zé Ronaldo (DEM) | Foto: divulgação


Ao Aratu On, Targino revelou que, em janeiro deste ano, conversou com o ex-aliado, a quem ofereceu duas alternativas. “Eu disse para José Ronaldo que, ou ele me libera e me bate nas urnas, ou terá um inimigo para sempre. Ele foi o responsável por rachar o partido, porque escolheu a segunda opção, não me deixou sair, porque sabe da minha densidade em Feira de Santana e tem medo de que eu ganhe e faça uma auditoria nas contas dele. 'JR' é dono de 90% dos cargos dentro da prefeitura. Então, preferiu deixar a cidade assim, com dois prefeitos: ele, que manda, e Colbert, que obedece. É o chefe do DEM em Feira”, disse.

Por meio de nota, a Comissão Permanente de Licitações da Prefeitura de Feira de Santana afirmou que todas as empresas concorrentes foram credenciadas para as licitações realizadas pela atual gestão e não faziam parte do Cadastro de Empresas Inidôneas e Suspensas (CEIS) do governo federal, ou sejam, estavas aptas a participar do processo. 

Na mesma linha, a Sustentare Saneamento S/A negou as acusações em comunicado enviado ao Aratu On. No texto, a empresa garantiu ter participado de forma independente da licitação mencionada.

Mas a temperatura entre os políticos nem sempre foi alta. Nas eleições de 2018, tanto Targino quanto Geilson estiveram lado a lado com José Ronaldo, que, à época, enfrentou o governador Rui Costa (PT), vencedor das eleições com mais de 75% dos votos válidos. 

A boa relação, no entanto, chegou ao fim neste ano. Nos últimos meses, as redes sociais do deputado democrata têm sido usadas para demonstrar publicamente suas insatisfações. Em várias oportunidades, Targino chegou a classificar Colbert como “corrupto” e Zé Ronaldo como “ganancioso”. 

Targino afirma, ainda, que procurou o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), presidente nacional da legenda, mas também não teve o apoio que esperava. “Neto cedeu às pressões. Zé Ronaldo ameaçou romper e, depois de quatro mandatos, adquiriu prestígio político suficiente para impor. Eu falei com ele [Neto] que não queria brigar, só queria ser liberado do partido para concorrer pelo PTB, como Leo Prates fez, indo para o PDT, mas não adiantou”, completou. 

Deputado estadual Targino Machado (DEM) | Foto: divulgação


Durante participação no projeto Linha de Frente – Eleições 2020, Colbert Martins afirmou que não se sente atingido pelas críticas. “As oposições políticas de baixo nível e ofensas não são aceitas em Feira de Santana. Querer ofender pessoas e famílias não é meu hábito. Não admito e não retribuo no mesmo nível, que seria se rebaixar, e eu não vou”, disse.



Crédito da Foto: Vivian Alecy/Aratu On

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->