Após fala de Bolsonaro, ministério diz não haver previsão de compra da Coronavac - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

21 de outubro de 2020

Após fala de Bolsonaro, ministério diz não haver previsão de compra da Coronavac





O Ministério da Saúde chamou a imprensa nesta quarta-feira (21), para negar que haja previsão de compra de vacina Coronavac contra a Covid-19. O pronunciamento aconteceu depois de postagens do presidente Jair Bolsonaro, nas redes sociais, contrárias ao anúncio desta terça (20) da pasta de que estaria negociando a aquisição de 46 milhões de doses com o Instituto Butantan - que firmou parceria com o laboratório Sinovac para a produção do imunizante.

"Não há intenção de compra de vacinas chinesas", afirmou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco. "Não houve qualquer compromisso com o governo do estado de São Paulo, ou seu governador, no sentido de aquisição de vacinas contra a covid-19", enfatizou o segundo nome mais forte da pasta.

"Qualquer vacina, quando estiver disponível, certificada pela Anvisa, e adquirida pelo Ministério da Saúde, poderá ser oferecida aos brasileiros por meio do Programa Nacional de Imunizações, e no que depender desta pasta, não será obrigatória", concluiu Elcio Franco.

Compra de 46 milhões de doses

O anúncio da compra de 46 milhões de doses da vacina Coronavac foi feito pelo Ministério da Saúde, após a reunião que o ministro Eduardo Pazuello teve com governadores estaduais.

Em mensagem publicada em sua conta no Facebook nesta quarta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) apresentou uma justificativa para a decisão de o governo federal não comprar a vacina produzida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.
Para o meu Governo, qualquer vacina, antes de ser disponibilizada à população, deverá ser COMPROVADA CIENTIFICAMENTE PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE e CERTIFICADA PELA ANVISA, 
escreveu Bolsonaro, se referindo à Coronavac como “a vacina chinesa de João Doria”.

Em fase final de testes e com baixos índices de efeitos adversos, a Coronavac ainda precisará ser devidamente aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).



Foto ::: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->