GOVERNADOR DO RIO, Witzel será defendido por esposa em ação que pede saída de residência oficial - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

10 de outubro de 2020

GOVERNADOR DO RIO, Witzel será defendido por esposa em ação que pede saída de residência oficial




Advogada, primeira-dama aparece como defensora de Witzel no portal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ)



Mulher do governador afastado Wilson Witzel, Helena Witzel será advogada de defesa na ação popular que pede a saída do ex-juiz e de sua família do Palácio Laranjeiras. O processo, movido pelo advogado Victor Travancas, será analisado pelo juiz Marcello Alvarenga Leite, da 9ª Vara de Fazenda Pública.

Witzel foi notificado da ação no final da tarde desta sexta-feira (09), quando Helena passou a figurar como advogada no processo. Na ação, Travancas cita a entrevista de Witzel publicada pelo GLOBO no último domingo, que mostra o ex-juiz sendo servido por um mordomo no local.

As atividades de Helena como advogada estão no centro das acusações do Ministério Público Federal (MPF) contra Witzel. Segundo o MPF, o escritório da primeira-dama teria sido usado para “escamotear o pagamento de vantagens indevidas ao governador”.

A investigação identificou pagamentos de R$ 544 mil de empresas investigadas ao escritório, aberto em março de 2018. Antes dos contratos com as empresas, Helena havia atuado principalmente em processos relacionados à família, a maior parte defendendo o próprio marido, como na ação que pede a saída do Palácio.

'Estilo monárquico'

No pedido à justiça, Victor Travancas anexou fotos publicadas na matéria do Globo e outras imagens do interior do Palácio, e destaca o "estilo monárquico" do local. Segundo Travancas, o uso do Palácio Laranjeiras como residência oficial não é previsto na Constituição Estadual ou qualquer outra lei.

"Mesmo se houvesse lei que autorizasse uma residência funcional para o ocupante de cargo de governador do estado, pelo princípio da razoabilidade, a mesma não poderia se equiparar ao luxo e aos custos de um Palácio, fugindo e muito da realidade média de um cidadão brasileiro", argumenta.

Na ação o advogado destaca que Witzel está duplamente afastado, por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e pela aprovação do processo de impeachment pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). "Neste sentido não está exercendo função pública que justifique os gastos com mordomias de um palácio", argumenta.

O governador afastado se manifestou por meio de nota: "Por questões de segurança, o governador afastado e sua família estão autorizados a continuar morando no Palácio das Laranjeiras". Witzel e Helena negam as acusações sobre os pagamentos ao escritório da primeira-dama.



 Foto :::: Agência O Globo / Último Segundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->