Meia dúzia de moradores de Salvador fecham rua em protesto contra rachaduras que surgiram em casas após obra em túnel - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é
PrefSSA

segunda-feira, fevereiro 01, 2021

Meia dúzia de moradores de Salvador fecham rua em protesto contra rachaduras que surgiram em casas após obra em túnel




Manifestação aconteceu na manhã desta segunda-feira (1º). Segundo os moradores, rachaduras surgiram após obra de túnel que liga o Subúrbio à orla da capital.



Um grupo de moradores de Boa Vista do Lobato, em Salvador, bloqueou rua que faz a ligação do Lobato à Pirajá, na manhã desta segunda-feira (1º), para protestar contra rachaduras que surgiram na casa deles, após a obra do túnel que liga o subúrbio à orla da capital. Eles moram na Rua Nova Direta, que fica em cima do túnel.

A obra foi entregue em abril de 2020 e tem como objetivo facilitar o acesso do subúrbio à BR-324. Ela é uma das etapas da Linha Azul, um corredor viário que liga a Orla Atlântica à Orla do Subúrbio Ferroviário de Salvador.

De acordo com o servidor público Maurício de Araújo, morador do local, o problema das rachaduras surgiu há mais de um ano e acabou comprometendo a estrutura da casa dele.

"A Transoceânica fez a obra do túnel ligação Suburbana-Orla, e as nossas casas estão todas rachando. Isso já tem mais de um ano, e o pessoal não tomou providencia. Eles abandonaram a gente sem dar retorno nenhum", disse em entrevista.

Moradores protestam contra rachaduras que surgiram em suas casas após obra de túnel em Salvador — Foto: Arquivo pessoal



O portal entrou em contato com a Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), que informou que o Consórcio Transoceânico, contratado para a execução das obras, está realizando estudos e monitorando a área para identificar a causa dos possíveis danos provocados nos imóveis. A reportagem também tentou posicionamento da Transoceânica, mas não conseguiu contato.

Além das rachaduras, os moradores falaram também de um talude que está cedendo no local.

"A Conder fez a obra e deixou os moradores com a casa em risco. Esse talude continua cedendo, e eles não resolvem nada", relatou Geisa Meneses da Cruz.

Ainda segundo os moradores, em dias de chuva, muita água escorre pelo talude. O medo da população é que ele ceda e as casas desabem junto.

Geisa da Cruz teve sua casa reformada e, após isso, as rachaduras voltaram a aparecer e estão causando medo novamente, principalmente porque o inverno se aproxima.

"Minha casa foi reformada e novamente apareceu rachaduras. A gente está pedindo ajuda antes que aconteça uma tragédia", relatou a moradora.

Outra moradora identificada como Dijane Meneses Duarte, falou sobre a demora da resolução do problema. Ela mora com um filho que é especial e está passando dificuldades.

"Eles dizem que vêm hoje, amanhã e só ficam mentindo. Eles estão vendo que estamos em risco, não só a casa da gente, mas a pista também está cedendo. Eles disseram que iam dar aluguel e não dão", disse Dijane Duarte.




Fotos :::: Arquivo pessoal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

NE-Sem fome
-->