Falsa advogada e professora de direito, Cátia Raulino é presa em Santa Catarina - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

quinta-feira, março 25, 2021

Falsa advogada e professora de direito, Cátia Raulino é presa em Santa Catarina



Cátia Raulino, suspeita de estelionato, falsificação de documento público e falsidade ideológica ao se passar por professora de Direito foi presa na quarta-feira (24/3), no estado de Santa Catarina, após cumprimento de mandado de prisão expedido pela justiça da Bahia.


Ela encontra-se custodiada na Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) e aguarda transferência para Salvador. O inquérito instaurado pela 9ª DT/Boca do Rio foi concluído e encaminhado para a Justiça, em outubro de 2020, com indiciamento da suspeita.

“No cumprimento do mandado de busca e apreensão, descobrimos que ela havia fugido para outro estado. Nas investigações entramos em contato com a Superintendência de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública de Santa Catarina, onde ela foi localizada e o mandado de prisão, cumprido”, informou o titular da 9ª DT, Antônio Carlos Magalhães Santos.

RELEMBRE O CASO

Ela passou a ser investigada em agosto de 2020, após alunas do curso de Direito da Faculdade Ruy Barbosa, no qual ela era professora, a terem denunciado por plágio. Cátia tinha 180 mil seguidores nas redes sociais e vendia cursos na área tributária.

Ela ostentava um currículo com extensas qualificações, como Pós-Doutorado em Direito Público na Universidade Federal de Pernambuco, Doutorado em Administração Pública na Universidade Federal da Bahia, Mestrado em Direito Público na Universidade Federal de Santa Catarina, Especialista em Gerenciamento de Projetos (PMI), Especialista em Direito Eletrônico, Bacharel em Direito, Bacharel em Administração Pública.

Nenhuma das universidades citadas por ela a reconhecem como estudante. A mulher chegou a apresentar documentos na 9ª DT, porém nenhum continha comprovação das graduações e títulos que afirmava ter.


Crédito da Foto: aquivo pessoal/Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->