Após autorização pra vacinar profissionais da Educação de 55 anos, prefeito Bruno Reis de Salvador quer estender idade do público alvo: 'Estabelecer retomada' - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

quinta-feira, abril 15, 2021

Após autorização pra vacinar profissionais da Educação de 55 anos, prefeito Bruno Reis de Salvador quer estender idade do público alvo: 'Estabelecer retomada'




Comissão liberou imunização de grupo até 55 anos, mas prefeito quer autorização para vacinar profissionais da Educação de até 50 anos, para garantir retorno das aulas presenciais.



O prefeito de Salvador, Bruno Reis, informou nesta quinta-feira (15) que vai tentar uma nova autorização para vacinar, contra a Covid-19, os profissionais da Educação com idades a partir de 50 anos. Com essa medida, ele disse dará para estabelecer a retomada das aulas presenciais.

Também nesta quinta, a Comissão Intergestores Bipartite (CIB), anunciou a autorização para incluir os profissionais da Educação, com idade a partir de 55 anos, na lista de prioridades da vacinação contra a Covid-19.

"Os trabalhadores da Educação acima de 60 anos, a nossa expectativa é com a chegada das vacinas que todos estejam vacinados até domingo [18]. A vacina chegando na sexta-feira [16], a gente vai tentar acelerar para até a segunda-feira tentar concluir. De 59 a 55, tentar vacinar na semana que vem. Vamos levar para a CIB a autorização para chegar aos 50 anos".

"Já vacinado esse público mais suscetível, mais vulnerável ao coronavírus, dá para estabelecer a retomada? Eu acho que sim. E vou defender esse posicionamento meu".

Durante a coletiva de imprensa, o prefeito teceu críticas ao Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), porque o órgão emitiu uma recomendação para que a prefeitura de Salvador divulgue os critérios para o retorno das aulas presenciais na capital baiana, na quarta-feira (14).

De acordo com o prefeito, o MP-BA sabe quais são os critérios de retorno das aulas, porque a representantes do órgão participaram da comissão que definiu os protocolos da retomada da Educação.

"A gente fica sem entender determinadas posições que não são do Ministério Público, são de um ou outro promotor. Até por que, quando nós começamos a discutir a retomada da Educação, nós reunimos um grupo e quem estava compondo esse grupo: a chefe do Ministério Público do Estado da Bahia, o presidente do Tribunal de Justiça, o defensor público geral, a Assembleia Legislativa, prefeitura, governo do estado. Justamente para evitar esse desencontro de informações e, naquela ocasião, nós discutimos os protocolos e os critérios para a retomada da Educação, e foram validados".

"Já é de pleno conhecimento do Ministério Público os protocolos e os critérios que nós estabelecemos para a retomada da Educação em nossa cidade, inclusive contando com a participação da chefe da Procuradoria Geral do Estado da Bahia".

O prefeito detalhou ainda que, nas reuniões de definição de critérios, ficou estabelecido vários protocolos, como por exemplo o funcionamento de salas, áreas comuns e até os revezamentos de turmas para as aulas.

"Sobre a retomada, nós já havíamos definidos os protocolos de como funcionaria cada ambiente na escola. Desde o local da merenda à utilização do bebedouro, da sala de aula, do setor administrativo, do espaço comum, da biblioteca. Definimos alguns critérios, como por exemplo a volta em dias alternados. Uma parte das crianças teria aula segunda, quarta e sexta, a outra terça e quinta, na outra semana invertia. Nós vínhamos avançando na definição, principalmente de qual momento retomar, com todos os protocolos unificados, inclusive para a Bahia".

Ainda conforme Bruno, os protocolos de retomada só não foram colocados em prática, porque a prefeitura precisou fechar vários estabelecimentos, por causa do aumento de casos na segunda onda da Covid-19 na capital.

"A ideia, inicialmente, não era voltar de forma facultativa, era voltar de verdade. Chegou a segunda onda, nós abortamos a discussão da retomada da Educação e tivemos que adotar uma série de medidas de isolamento social. Se a gente estava fechando o que estava aberto, como a gente iria avançar em abrir atividades que não estavam funcionando? Retomamos as aulas de forma virtual, online. A Educação, tanto pública quanto particular, está funcionando desta forma".




Foto: Reprodução/Redes Sociais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->