Homem é detido transportando 650 kg de agrotóxicos falsificados no sudoeste da Bahia - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

domingo, maio 30, 2021

Homem é detido transportando 650 kg de agrotóxicos falsificados no sudoeste da Bahia


Material foi apreendido em um trecho de Vitória da Conquista, no sábado (29). Motorista disse que material foi embarcado em São Paulo, mas apresentou notas fiscais de cidade mineira. Veículo também não apresentava sinalização para transporte deste tipo de carga.


Um homem foi detido por agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) quando dirigia um caminhão-baú pela BR-116, na região de Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, contendo 650 kg de agrotóxicos falsificados. O caso ocorreu no sábado, no KM 830 da rodovia.

Segundo a polícia, o suspeito foi abordado em uma ronda de rotina e relatou que transportava diversas mercadorias que foram embarcadas de São Paulo. Quando foi pedido para apresentar os documentos de porte e nota fiscal da carga, ele apresentou o documento de defensivos agrícolas da cidade mineira de Uberlândia, o que despertou suspeita nos policiais.

Os policiais desconfiaram ainda mais porque, na verificação dos produtos, viram que a escrita de alguns rótulos estava inelegível e outros estavam com caracteres de impressão fora do padrão e em desacordo com a lei que regulamenta rotulagem e armazenamento.

Os agentes, então, entraram em contato com a empresa indicada como produtora do inseticida que estavam em caixas embalagens plásticas, e identificaram que o produto era falsificado.

O homem afirmou ainda que não possui curso para transporte desse tipo desse tipo, além do veículo não ter nenhum elemento que identificasse que ali havia produto perigoso, exigidos pela legislação.

O motorista foi encaminhado à delegacia de Polícia Civil para a adoção dos procedimentos legais e poderá responder pelo crime de produzir, comercializar, transportar, dar destinação a resíduos e embalagens vazias de agrotóxicos, seus componentes e afins.

Por não serem registrados no Brasil, os defensivos agrícolas ilegais não seguem as diretrizes e exigências do Ministério da Agricultura, do Ibama, da Anvisa e dos órgãos estaduais de defesa agropecuária. Por isso, representam prejuízos ao agricultor pela baixa eficácia, além de causar danos ao meio ambiente, à saúde do aplicador e do consumidor.

Um homem foi detido por agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) quando dirigia um caminhão-baú pela BR-116, na região de Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, contendo 650 kg de agrotóxicos falsificados. O caso ocorreu no sábado, no KM 830 da rodovia.

Segundo a polícia, o suspeito foi abordado em uma ronda de rotina e relatou que transportava diversas mercadorias que foram embarcadas de São Paulo. Quando foi pedido para apresentar os documentos de porte e nota fiscal da carga, ele apresentou o documento de defensivos agrícolas da cidade mineira de Uberlândia, o que despertou suspeita nos policiais.

Os policiais desconfiaram ainda mais porque, na verificação dos produtos, viram que a escrita de alguns rótulos estava inelegível e, em outros, haviam caracteres de impressão fora do padrão e em desacordo com a lei que regulamenta rotulagem e armazenamento.

Os agentes, então, entraram em contato com a empresa indicada como produtora do agrotóxico e identificaram que o produto era falsificado.

O homem afirmou ainda que não possui curso para transporte desse tipo desse tipo, além do veículo não ter nenhum elemento que identificasse que ali havia produto perigoso, exigidos pela legislação.

O motorista foi encaminhado à delegacia de Polícia Civil para a adoção dos procedimentos legais e poderá responder pelo crime de produzir, comercializar, transportar, dar destinação a resíduos e embalagens vazias de agrotóxicos, seus componentes e afins.

Por não serem registrados no Brasil, os defensivos agrícolas ilegais não seguem as diretrizes e exigências do Ministério da Agricultura, do Ibama, da Anvisa e dos órgãos estaduais de defesa agropecuária. Por isso, representam prejuízos ao agricultor pela baixa eficácia, além de causar danos ao meio ambiente, à saúde do aplicador e do consumidor.


Foto: Divulgação/PRF

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->