Inflação na região de Salvador cai e é a segunda menor do país; energia elétrica foi "vilã" - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

terça-feira, maio 11, 2021

Inflação na região de Salvador cai e é a segunda menor do país; energia elétrica foi "vilã"




O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medida oficial da inflação, calculado pelo Instituo Brasieliro de Geografia e Estatística (IBGE), trouxe uma boa notícia para os baianos. O valor ficou em 0,09% no mês de abril na Região Metropolitana, o segundo mais baixo entra as 16 áreas investigadas pelo órgão.

O número apresenta uma queda de 0,81% em relação à taxa do mes anterior, março. Ainda ficou, porém, acima do índice de abril do ano passado, quando houve queda 0,16%.

Apenas em 2021, a RMS já acumula alta de 2,10%. O valor assunta, mas está abaixo da média nacional, de 2,37%, e é o 3º menor do país. Nos 12 meses encerrados em abril, o crescimento dos preços chegou a 5,96%.

AUMENTO

Dentre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, cinco apresentaram altas em abril, na Região Metropolitana de Salvador. O maior aumento foi na habitação (1,10%), seguido de saúde e cuidados pessoais (0,87%) e alimentação (0,53%).

Dentre os aumentos nos custos de moradia, a energia elétrica foi o mais importante. O serviço encareceu 1,96% e, como é muito importante nas casas, foi o item que, individualmente, mais puxou o IPCA para cima. No mês, a bandeira tarifária estava amarela, que acrescenta R$ 1,343 na conta de luz a cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Somam-se ainda altas nos aluguéis, que ficaram 1,32% mais caro, e nos condomínios, de 1,25%. O alívio foi que o preço médio do gás de botijão teve uma queda discreta, de -0,04%.

Dentre ao aumentos no grupo saúde e cuidados pessoais, destaca-se que os produtos farmacêuticos ficaram 3,12% mais caros. No dia 1º de abril, foi concedido o reajuste de até 10,08% no preço dos medicamentos, dependendo da classe terapêutica. Perfumaria (3,39%) e os planos de saúde (0,66%) também tiveram alta.

Os alimentos seguiram ficaram mais caros. O IBGE destacou o aumento nos produtos consumidos em casa (0,56%), como leites e derivados (1,24%) e bebidas e infusões (2,09%). A refeição fora de casa (almoço ou jantar) sofreu um aumento de 1,50%.

QUEDAS

Dentre os quatro grupos que ficaram mais baratos em abril, o destaque ficou com os transportes. A queda, de -1,76%, ocorreu depois de seis meses em alta.

Segundo o IBGE, a queda foi provocada pelo preço dos combustíveis, que caíram 6,39%. A gasolina teve diminuição média de 6,06%, depois de cinco meses de aumentos significativos, enquanto o etanol caiu 12,25%.

INPC

Na Região Metropolitana de Salvador, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação das famílias com menores rendimentos (até 5 salários mínimos), ficou em 0,19% em abril. O número é maior do que o IPCA, de 0,09%, que calculou o a inflação para todas as famílias.

O INPC de abril também foi menor que o índice nacional, de 0,38%, e o 3º mais baixo entre as 16 áreas pesquisadas. Nos quatro primeiros meses de 2021, o índice acumula alta de 2,11% na RMS e, nos 12 meses encerrados em abril, fica em 6,51%.



‌Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.



Credito da foto:Educa Mais Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->