Cultura japonesa marca presença na Bahia - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

terça-feira, julho 20, 2021

Cultura japonesa marca presença na Bahia


Na semana em que começa as Olimpíadas de Tóquio, no Japão, o Portal A TARDE estreia a série 'Conexão Bahia-Japão', que traz reportagens sobre a ligação do estado com a cultura, o esporte e a gastronomia japonesa. Nesta primeira edição, você tem acesso a um resgate histórico que explica as influências japonesas em diversos municípios do território baiano.


A contagem regressiva para as Olimpíadas de Tóquio vai chegando ao fim. O Japão que será mostrado nas telas durante a competição conta com um pedaço dele na Bahia. A música, a dança, a culinária, os costumes e a rica cultura japonesa estão presentes por aqui há décadas e já têm espaço no gosto dos baianos. A influência é marcada, inclusive, por um festival anual que celebra o país asiático.

A história entre Bahia e Japão não é recente. O estado foi uma das portas de entrada para os japoneses no Brasil após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando foram oferecidas terras aos asiáticos no sul do estado, nos municípios de Una e Itaberá. Apesar disso, relatos históricos apontam o início da história japonesa no Brasil na primeira década do século 20.

Informações históricas retiradas de artigos indicam que o marco do processo de imigração japonesa para a Bahia se deu conjuntamente com a criação de três colônias pelo governo brasileiro no Estado. A ideia era povoar áreas pouco densas demograficamente e improdutivas, sem agropecuária.

Una, Ituberá, Mata de São João, Caravelas, Teixeira de Freitas, Santa Cruz Cabrália e Jaguaquara foram os locais em que os japoneses se estabeleceram com o passar dos anos. Os locais abrigaram os imigrantes que chegaram após novas relações estabelecidas entre Japão e Brasil.

"Pelo que se divulga, há aproximadamente 100 mil pessoas, sendo talvez a Bahia o estado em que se encontra a terceira população no Brasil. Distribuídos em todo o estado, de norte a sul, leste e oeste, sendo que nesta região tem crescido bastante. A primeira comunidade criada foi Una e algumas são definitivas na influência de costumes de brasileiros. A Chapada Diamantina é outra área que tem se destacado ultimamente", explica Odecil Costa Oliveira, ex-Cônsul Geral Honorário do Japão em Salvador.

O consulado japonês divulga a cultura do país em colégios de Salvador, com a colaboração de parceiros, no “Projeto Sol Nascente". A iniciativa conta com a presença de estagiários voluntários de universidades baianas, alunos do curso de Relações Internacionais, professores de Karatê, Aikido, Kenjutsu, Caligrafia japonesa e origami, além de uma palestra versando sobre hábitos e costumes japoneses.O Festival de Cultura Japonesa ocorre anualmente desde 2007 | Foto: Divulgação | Bon Odori

A cultura japonesa merece um festival



Entre os destaques da cultura japonesa estão os desenhos, os famosos animes, difundidos em todo o país e febre entre os jovens desde os anos 80. A depender da geração, os brasileiros podem lembrar de diversos exemplos deste segmento como Cavaleiros do Zodíaco, Dragon Ball Z, Naruto, Pokémon, Death Note, dentre outros.

Muitos animes são impulsionados por outra produção cultural japonesa que chama a atenção do brasileiro: os mangás. Animes famosos são baseados nestes quadrinhos que fazem parte do imaginário do público nerd e motiva cosplayers, pessoas que se vestem de uma maneira que representa seus personagens favoritos.

"Desde quando recebemos a primeira leva de imigrantes, os brasileiros começaram a se interessar pela cultura japonesa. Aos poucos, começamos a aprender muitas coisas. Todos gostam da cultura japonesa, os restaurantes cada vez mais aumentam em quantidade. O interesse pela língua está aumentando. Livros, filmes, tudo faz parte desta importante e interessante cultura", conta Ogvalda Devay Torres, presidente da Associação Cultural Brasil-Japão do Estado da Bahia.

Além disso, a música, a dança e as artes marciais fazem parte do Festival da Cultura Japonesa de Salvador, evento que mostra um pouco do país, através de suas manifestações culturais. O festival é realizado desde 2007, sempre no último final de semana de agosto, e contou com sua última versão presencial em 2019.

"O intuito do festival é divulgar e difundir a cultura japonesa na Bahia e no nordeste divulgando os costumes as tradições. Hoje muitas pessoas agradecem a cultura japonesa por alguns aprendizados na vida particular. Este é um dos pontos, pensar na coletividade e não em si próprio", contou João Koji Sunano, coordenador geral do Festival da Cultura Japonesa de Salvador.

O Festival da Cultura Japonesa em Salvador é conhecido como Bon Odori. No entanto, os eventos são diferentes, como explica João Koji Sunano.

"Na verdade, muitos conhecem como Bon Odori, que foi um evento anterior representando uma tradição de comemorar com danças e comidas a memória dos nossos antepassados, pois sem a existência deles não seria possível termos a nossa existência, nosso caráter, nossos valores, o que é um dos pilares da cultura japonesa. Esse evento foi incorporado pelo festival de Salvador pois, com esse título, poderíamos mostrar a cultura japonesa de forma ampla", disse o coordenador geral.

O Festival de Cultura Japonesa é realizado pela Associação Cultural Nippo-Brasileira de Salvador (Anisa), com apoio do Governo da Bahia, através da Secretaria da Cultura (Secult). Em 2020, o evento precisou ser cancelado e houve uma pequena versão de maneira virtual. A expectativa é celebrar a cultura japonesa presencialmente em 2022.

"O evento presencial deverá acontecer a depender das autoridades sanitárias, pois o nosso evento está no calendário de Salvador, sendo realizado no último final de semana de agosto. Mas tudo vai depender do andamento da pandemia, pois não conseguimos planejar um evento deste tamanho tão rápido. Precisamos trabalhar com seis meses de antecedência", explicou o coordenador.


Foto: Divulgação | Bon Odori

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->