Novo secretário descarta Plano B para Auxílio Brasil de R$ 400; verba só será garantida se furar o teto de gastos - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

sábado, outubro 30, 2021

Novo secretário descarta Plano B para Auxílio Brasil de R$ 400; verba só será garantida se furar o teto de gastos




A equipe econômica não tem um plano alternativo para viabilizar o Auxílio Brasil, com benefício mínimo de R$ 400 por família, caso a proposta de emenda à Constituição (PEC) que parcela os precatórios não seja aprovada pelo Congresso. 


A informação foi dada nesta sexta-feira (29/10) pelo novo secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago. A proposta, que permite furar o teto de gastos previstos, foi decisiva para que o secretário anterior se demitisse no cargo, junto com três outros colegas que tabmbém não concordavam com a medida.

Colgano afirmou que o Ministério da Economia não trabalha com a decretação de um estado de calamidade pública para executar recursos fora do teto de gastos. “O Ministério da Economia não trabalha com outra opção que não seja discussão do texto da PEC dos Precatórios”, disse na primeira entrevista coletiva depois de assumir o cargo.

Tanto em 2020 como neste ano, os créditos extraordinários foram usados para bancar o auxílio emergencial e financiar outras medidas de enfrentamento à pandemia de covid-19. Caso a PEC seja aprovada, o governo "ganharia" folga de R$ 91,6 bilhões e Colnago disse que sobrarão R$ 10 bilhões para recursos livres.
Segundo o secretário, de todo o "novo" dinheiro disponível, R$ 50 bilhões financiarão o benefício de R$ 400 do Auxílio Brasil e R$ 24 bilhões serão irão para a Previdência Social para garantir a reposição da inflação mais alta para aposentadorias, pensões e demais benefícios.

Com o fim do auxílio emergencial, que deixará de ser pago no domingo (31), cerca de 29 milhões de trabalhadores informais não inscritos no Bolsa Família deixarão de receber o benefício e não serão migradas para o Auxílio Brasil. Segundo Colnago, não cabe ao Ministério da Economia avaliar o impacto do fim do benefício para essas famílias. “Essa política é do Ministério da Cidadania”, rebateu.

EDUCAÇÃO

Segundo alguns estados, o parcelamento de precatórios do antigo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) e do atual Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) diminuiria o pagamento de dívidas relacionadas à educação, prejudicando os governos locais.

Colnago negou que a PEC dos Precatórios diminua as verbas para a educação dos governos estaduais. “O fato de algum estado fazer acerto de contas com precatórios do Fundef e dívidas com a União não altera em nada o orçamento da Educação. O que a PEC permite é fazer esse encontro de contas”, alegou.

Colnago esclareceu que o texto da PEC dos Precatórios não abre exceção para dívidas antigas do Fundef. “O texto da PEC não entra no mérito de qual é a decisão judicial que originou precatório”, explicou. Diversos parlamentares têm pressionado para que os precatórios do Fundef não sejam parcelados. Criado em 1997, o Fundef foi substituído pelo Fundeb em 2007. Em 2020, o Fundeb foi renovado em caráter permanente.



‌Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.




Credito da foto:José Cruz/Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->