CAMAÇARI 🐉 População deve ficar atenta para casos de Esporotricose - Observador Independente

BAHIA

13 de marzo de 2018

CAMAÇARI 🐉 População deve ficar atenta para casos de Esporotricose

(Foto: Reprodução)

Durante os anos de 2015 a 2017, os casos confirmados de Esporotricose tiveram um aumento de 457% em Camaçari e por isso a doença merece atenção. Causada por um fungo, a enfermidade teve o primeiro surto na Bahia justamente em Camaçari, com nove casos em humanos e quatro em gatos. Os principais sintomas são as lesões ulceradas na pele, geralmente com pus, que não cicatrizam e costumam evoluir rapidamente, localizando-se principalmente na face, orelhas e membros, semelhantes à Leishmaniose.

A produção do Camaçari Notícias conversou com diretora de vigilância em saúde do município, Fátima Guirra, que afirmou que a doença precisa ser observada como qualquer outra e que neste ano de 2017 já existem dois casos confirmados em humanos no município, sendo um na sede e outro na orla. Apesar de merecer atenção, Fátima disse que Camaçari não está vivendo um surto da doença.

“Surto é quando há a ocorrência de vários casos em um curto espaço de tempo e em uma área delimitada, como um bairro, uma escola, ou uma creche. No caso da Esporotricose em Camaçari os casos estão distribuídos em diversos locais, o que não caracteriza um surto”, explica Fátima.

De acordo com estudos feitos pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Camaçari, a Esporotricose se caracteriza por uma micose subcutânea causada pelo fungo Sporothrix schenckii. Ela acomete o ser humano e uma grande variedade de animais, especialmente os felinos. Ainda segundo a pesquisa, o fungo Sporothrix vive no solo, em palhas, vegetais e madeiras, podendo ser transmitido por meio de materiais contaminados, como farpas ou espinhos.

Fátima Guirra alerta para que as pessoas que trabalham diretamente com a terra utilizem sempre luvas durante o manuseio, pois se a pele apresentar algum ferimento, pode servir de porta de entrada para o fungo. Isso também se aplica para as pessoas que retiram as cutículas das unhas.

Em caso de suspeita da doença, Fátima indica que a pessoa procure as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e se o infectado for o bichinho de estimação, ele deve ser levado imediatamente ao veterinário. “É importante que a clínica faça a notificação da doença ao CCZ para que os casos sejam registrados. Camaçari vai incluir a notificação compulsória para que as pessoas possam ter acesso ao tratamento adequado, que é demorado, durando de 90 dias até um ano”.

Em caso de dúvidas, entre em contato com o CCZ nos telefones (71) 3634-5743/5753.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas