ESCRAVIDÃO 🎩 Ministério encontra uso de mão de obra escrava ligado a seita religiosa - Observador Independente

BAHIA

16 de marzo de 2018

ESCRAVIDÃO 🎩 Ministério encontra uso de mão de obra escrava ligado a seita religiosa

Crédito da foto: BAHZ

O Ministério do Trabalho informou nesta quinta-feira (15) que a fiscalização da pasta autuou proprietários de três fazendas nos estados de Minas Gerais, Bahia e São Paulo por uso de mão de obra escrava.

A operação, batizada de " Canaã – A Colheita Final", encontrou nessas fazendas 565 trabalhadores em condições análogas às de escravo, 438 sem registro em carteira e ainda 32 menores em atividade proibida.

Foram cumpridos, nessa operação, 22 mandados de prisão preventiva, 17 interdições de estabelecimentos comerciais e 42 mandados de busca e apreensão. Segundo a fiscalização do Ministério do Trabalho, 13 dirigentes da seita foram presos preventivamente e o resto está foragido.

Seita religiosa

De acordo com o governo, os trabalhadores prestavam serviço a uma seita religiosa conhecida como Comunidade Evangélica Jesus, a Verdade que Marca. Eles trabalhavam em fazendas de cultivo de hortifrutigranjeiros, além de postos de gasolina, restaurantes e cafés do grupo.

Ainda segundo o ministério, uma investigação apontou que os trabalhadores teriam sido "aliciados" por dirigentes da seita religiosa, em São Paulo, e convencidos a doar os bens para as associações controladas pela organização, tendo de mudar-se para uma comunidade, onde todos os bens móveis e imóveis seriam compartilhados.

Após entrar na seita religiosa, continua o ministério, as pessoas eram levadas para zonas rurais e urbanas em Minas Gerais (Contagem, Caxambu, Betim, Andrelândia, Minduri, Madre de Deus, São Vicente de Minas, Pouso Alegre e Poços de Caldas), na Bahia (Ibotirama, Luiz Eduardo Magalhães, Wanderley e Barra) e na capital paulista, para trabalhar em lavouras e em estabelecimentos comerciais como oficinas mecânicas, postos de gasolina, pastelarias, confecções e restaurantes, todos comandados pelos líderes da seita.

Esse é o desenrolar de uma operação deflagrada em 2013 contra a mesma seita religiosa, que, naquela época, já se utilizava de mão de obra escrava, com a identificação de 348 vítimas. Neste ano, segundo o Ministério do Trabalho, a justiça determinou que a fiscalização retornasse aos locais para atualizar informações. Foi quando se verificou que a prática continuava.
Em todas ações de combate ao trabalho escravo, quando chega Polícia Federal, o Ministério Público Federal e do Trabalho as vítimas aderem e querem ser retiradas dessa situação. O caso da seita é incomum, porque as pessoas eram doutrinadas por aspectos religiosos e nos receberam como se fôssemos o demônio, afirmou o auditor-fiscal do Trabalho Marcelo Campos, que coordenou a operação.

De acordo com ele, as vítimas, neste caso, acham que estão protegidas do fim do mundo nestas fazendas e que vivem em uma "comunidade santa". "O que só agrava e torna mais aviltante a situação em que estão. Além de serem suprimidos direitos laborais, estão sendo iludidos. Não querem sair. Dizem que é uma maravilha, que é o sonho da vida deles", declarou.

Ele explicou que, nessa operação, os estabelecimentos comerciais foram fechados, mas acrescentou que as pessoas não podem ser retiradas a força das fazendas. "O resgate precisa de um mínimo de aceitação. Não temos governabilidade para retirá-las a força. Todos estabelecimentos econômicos urbanos foram interditados, todos foram paralisados. Medidas estão inviabilizando as atividades econômicas, mas as fazendas não foram interditadas", afirmou.

Mesmo assim, segundo o auditor Marcelo Campos, a fiscalização do Ministério do Trabalho preparou todos os cálculos de direitos devidos aos trabalhadores (décimo terceiro salário, FGTS, férias e salários, por exemplo) para realizar o pagamento às vítimas. "Mesmo não querendo, vão receber. Pode ser que no futuro essa situação mude [e que as pessoas queiram os recursos]", explicou.

Crescimento patrimonial

O Ministério do Trabalho informou que chamou a atenção, durante a investigação, o crescimento do patrimônio pessoal dos líderes da seita e um "grande aumento" de fiéis nos últimos cinco anos.

"Nessa fase, autuamos as empresas do grupo criadas pela seita a pagar os direitos trabalhistas retroativamente, desde a data em que os trabalhadores começaram a prestar os serviços, e vamos disponibilizar a todos aqueles encontrados em situação de trabalho escravo as guias para acesso ao seguro-desemprego", disse Campos na nota.

g1

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas