PONTO DE VISTA @ O estado é obrigado a fornecer medicamentos aos cidadãos? - Observador Independente

BAHIA

3 de mayo de 2018

PONTO DE VISTA @ O estado é obrigado a fornecer medicamentos aos cidadãos?

Publicado por Henrique Barroso
Crédito da foto; Padrão OBI




O art. 196 da Constituição Federal diz que "A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação."

Neste sentido, a lei n.º 8.080/90, que regula as ações e serviços da área da saúde, traz expressamente em seu art. 6º, I, d, da Lei a necessidade de fornecimento de medicamentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Inobstante, tal fornecimento não garante ao cidadão toda a assistência terapêutica necessária e limita os medicamentos a serem fornecidos pelo Estado àqueles que constarem em lista bienal elaborada pelos gestores do SUS. [1]

Assim, insurge uma questão: é constitucional limitar o fornecimento público de medicamentos, ou o Estado deve garantir acesso integral a toda a população? [2]

Para responder esta questão é preciso voltar ao começo da Constituição Federal: em seu art. 1º ela garante a dignidade da pessoa humana, enquanto em seu art. 6º ela garante o direito fundamental de saúde. Para resguardar estes direitos, é cediço que o Estado deve fazer o possível sim para fornecer medicamentos e todos os tratamentos que conseguir aos cidadãos.

Contudo, existem medicamentos para doenças específicas que possuem alto valor e que não constam na lista bienal do SUS. Desta forma, o Estado argumenta que não deveria fornecer tal medicamento ante ao seu elevado valor e à sua especificidade. Felizmente, em vários casos, tal posição vem sendo vencida nos tribunais, que alegam que [3]:
[...] o alto preço do medicamento não é, por si só, motivo para o seu não fornecimento, visto que a Política de Dispensação de Medicamentos excepcionais visa a contemplar justamente o acesso da população acometida por enfermidades raras aos tratamentos disponíveis.


A questão é delicada, pois existem alguns julgados que não concedem tal direito aos requerentes, sob a argumentação de que a parte possui condições de compra de tal medicamento, ou ainda que o mesmo não é indispensável à saúde do paciente.

Neste sentido, também é discutível se o Estado possui o dever de fornecer vacinas aos cidadãos, como a vacina da Febre Amarela. Em virtude da grande incidência desta doença atualmente,seria possível entrar com uma ação solicitando que o Estado disponibilize-a para o cidadão, haja vista um perigo de dano irreversível, sua condição socioeconômica desfavorável e a possibilidade de fornecimento do Estado, enquanto o Estado não se prontifica a fornecer a mesma a todos.

Conclui-se, portanto, que a resposta para a questão levantada é mais simples do que sim ou não, pois de maneira geral o Estado deve garantir a saúde de seus cidadãos, mas nem sempre ela não tem limites.

Por esses motivo, cabe ao Judiciário, com base no sistema de freios e contrapesos, sopesar quais medicamentos e tratamentos devem ser concedidos aos cidadãos, com base na viabilidade do tratamento, na necessidade do paciente, na impossibilidade econômica do paciente e na possibilidade de fornecimento pelo Estado. [4]

Henrique Barroso
Advogado atuante em Londrina e região, formado pela Universidade Estadual de Londrina. OAB n.º 91.789

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas