RIO DE JANEIRO @ MPF denuncia empresária que prendeu empregada por uma semana na área de serviço - Observador Independente

BAHIA

14 de mayo de 2018

RIO DE JANEIRO @ MPF denuncia empresária que prendeu empregada por uma semana na área de serviço

Na época, a vítima adoeceu e, segundo testemunhas, sem poder trabalhar, ficou sem salário
Agência O Globo




O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro denunciou uma empresária da capital por trabalho escravo, conforme adiantou a coluna do Ancelmo Gois, na edição impressa do O GLOBO desta segunda-feira. 

De acordo com nota divulgada pelo MPF, há pouco, a empregadora manteve a vítima trancada na área de serviço de seu apartamento, em Copacabana, durante uma semana, sem direito a circular pelos demais cômodos ou se alimentar. 

Na época, a vítima adoeceu e, segundo testemunhas, a empresária considerou que, se ela não podia trabalhar, também não receberia salário nem se alimentaria. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados porque o processo corre em segredo de justiça.

Os relatos também dão conta de que a empresária xingava a vítima com frequência e proibia que ela e outra funcionária se sentassem no sofá da sala para assistir TV, alegando que teria de passar álcool no móvel, caso isso ocorresse. Além disso, o MPF diz que a doméstica era submetida a jornada exaustiva, das 7h à meia-noite, sem intervalo de descanso ou repouso semanal. Os maus tratos teriam ocorrido entre dezembro de 2010 e fevereiro de 2011.

Para evitar que a vítima, trazida de Brasília pela empregadora, fosse embora, a empresária alegava que a funcionária tinha uma dívida com ela em função da compra de móveis que eram da casa. E que também a empregada teria manchado blusas e quebrado itens da residência, o que seria descontado de seu salário. Fazia ainda, ameaças, afirmando que, no Rio, qualquer bandido bateria nela por R$ 50 e a mataria por R$ 100. O caso foi denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro em 2014.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas