SALVADOR @ Projeto de Lei aprovado na Assembleia obriga Coelba a aterrar fiação em todo Estado - Observador Independente

BAHIA

3 de mayo de 2018

SALVADOR @ Projeto de Lei aprovado na Assembleia obriga Coelba a aterrar fiação em todo Estado

Se depender de um Projeto de Lei aprovado pela Assembleia Legislativa da Bahia o caos está com os dias contadosFoto por : Tácio Moreira/Metropress



Olhar para o céu sem se deparar com um emaranhado de fios é tarefa quase que impossível na maioria das cidades da Bahia. Mas, se depender de um Projeto de Lei aprovado pela Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) na última semana, o caos está com os dias contados. De autoria do presidente da Casa, deputado Angelo Coronel (PSD), a matéria obriga a Companhia de Eletricidade do Estado (Coelba) a tornar subterrânea toda sua rede elétrica e pôr fim ao emaranhado de fios expostos.

“As empresas responsáveis terão o prazo de cinco anos para promover a alteração do sistema de rede na capital do Estado e de 10 anos nas demais cidades do interior, evitando, assim, inúmeros transtornos advindos do atual sistema aéreo, além de estabelecer critérios de segurança”, afirma o texto. A mudança agrada grande parte da população e arquitetos, que anseiam pelo fim dos verdadeiros novelos nos postes da cidade, mas encontra a resistência da Coelba que, por sua vez, não concorda com a mudança.

Coronel argumenta segurança: “Tendência dos grandes centros”

O deputado Angelo Coronel argumentou que a medida preza pela segurança dos baianos. “As fiações devem ser subterrâneas. Essa é uma tendência dos grandes centros. Você melhora a estética, dá mais segurança, preserva o meio ambiente, pois não precisa ficar podando árvores, mas por conta dos principalmente acidentes. Tem lugares que árvores caem em cima da fiação e geram curto circuito”, explicou o criador do Projeto de Lei. Somente em 2016, a Coelba registrou 80 acidentes com a rede elétrica na Bahia, que resultaram em 20 mortes.


“Uma verdadeira esculhambação”

Para o arquiteto e urbanista Fernando Peixoto, a mudança pode acabar com “a verdadeira esculhambação” que se tornou o amontoado de fios nos postes da Coelba. “Eu acho uma esculhambação a fiação do jeito que está. A Coelba aluga o poste e nego vai botando os fios e depois não tira”, explica. Mas, segundo Peixoto, apesar da melhoria para a estética e segurança, é preciso avaliar a viabilidade da mudança. “Sai da onde o dinheiro, da conta de luz? Eu acho que deve enterrar [a fiação], só quero saber de onde sai o dinheiro”, pondera. Em Salvador, áreas como o Comércio e o Farol da Barra já possuem fiação subterrânea. 

Lucro com aluguel de postes

O presidente da Assembleia Legislativa rebate o argumento da Coelba que somente a União pode legislar sobre o serviço de energia elétrica. Ainda segundo Coronel, o custo da adequação deve ser dividido com as empresas que alugam os mais de 3,5 milhões de postes instalados na Bahia. “Os fios de todas as telefônicas, fibras óticas, TV a cabo, todos eles pagam aluguel. Evidente que terá que dividir [os custos da mudança] com essas empresas que são parceiras no faturamento. Essas empresas pagam aluguel para passar os fios nos postes da Coelba”, disse.

Coelba cita inviabilidade 

Ressaltando que a concessão abrange 9,7 mil km de Linhas de Subtransmissão, a Coelba afirmou que o projeto só seria viável com o investimento conjunto. “Com os órgãos públicos e empresas de telecomunicações. A rede subterrânea requer o mapeamento do solo das cidades para escavações de calçadas e vias públicas, o que, inevitavelmente, provoca interferência no contorno urbano e gera impactos socioambientais”, disse em nota.

metro1

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas