BAHIA @ Número de autuações da Lei Seca cresce em Salvador e no interior - Observador Independente

BAHIA

19 de junio de 2018

BAHIA @ Número de autuações da Lei Seca cresce em Salvador e no interior

Blitzes são realizadas com o apoio da Polícia Militar / Anderson Sotero | Foto: Luciano Carcará | Ag. A TARDE




Blitzes são realizadas com o apoio da Polícia Militar

Os números de autuações em fiscalização da Lei Seca – que completa uma década de vigência nesta terça-feira, 19 – cresceu tanto na capital baiana quanto em abordagens ocorridas em todo o estado da Bahia. Em Salvador, o aumento chegou a 119% e, na Bahia, alcançou o índice de 151%.

Na capital baiana, o período comparado é 2009 com o ano passado. Foram 2.344 ocorrências naquele ano contra 5.138 em 2017. Em todo o estado, a fiscalização somente passou a ser feita pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-BA) a partir de setembro de 2015, quando foi iniciada a Operação Paz no Trânsito.

O número de autuações aumentou na comparação de 2016 com 2017 na Bahia– os únicos dois períodos em que a operação foi realizada durante todo o ano. O quantitativo saltou de 1.337 autos para 3.360.

A capital registrou uma média de aproximadamente nove autuações por dia. Foram 30.811 autos de infração registrados (flagrantes e recusas de se submeter ao teste) de 2008 a 13 de junho de 2018. Neste mesmo período, o órgão municipal de trânsito (Transalvador) realizou cerca de 296 mil abordagens, 85 por dia.

As pessoas passaram a se preocupar se vão voltar de táxi ou Uber

Fabrizzio Muller, superintendente da Transalvador

Já as blitzes realizadas pelo Detran renderam 6.906 autuações (flagrantes e recusas), aproximadamente sete por dia. O quantitativo de pessoas submetidas ao teste, no mesmo período, foi de 86.134.

O superintendente de Trânsito da Transalvador, Fabrizzio Muller, afirmou que só consegue visualizar pontos positivos na atuação da Lei Seca. Para ele, apesar de ainda haver "muito desrespeito", é "inegável" que houve uma mudança de comportamento da população.

"As pessoas passaram a se preocupar se vão voltar de táxi ou de Uber. Não se via isso há dez anos. Isso ocorre em função de uma fiscalização mais rígida. Há muito para mudar. A punição tem que ser exemplar para que as pessoas se conscientizem", ressaltou.

Apesar de ser de competência estadual, contou Muller, a fiscalização ocorre desde setembro de 2008 na capital, por meio de convênio entre a prefeitura e o Detran. "Havia uma lacuna de quem faria essa fiscalização".

O superintendente contou que desde 2013 a prefeitura expandiu as fiscalizações para ocorrerem diariamente. "Não dá para fazer de final de semana. As pessoas bebem de segunda a segunda", afirmou Muller.


atarde
AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Paginas