CONSUMIDOR @ Direito do consumidor: produto vencido nas prateleiras - Observador Independente

BAHIA

25 de junio de 2018

CONSUMIDOR @ Direito do consumidor: produto vencido nas prateleiras

Publicado por Lais Helena da Silva
Crédito da imagem Programa Viver Bem





O Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de alguns estados, tais como Maranhão, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Paraná, São Paulo, Distrito Federal, entre outros, realizou acordo com as associações de supermercados para que o consumidor que encontrar algum produto vencido tenha o direito de receber GRATUITAMENTE outro produto, igual ou semelhante e que esteja próprio para o consumo.

Geralmente nessas horas, a pessoa que localizou determinado produto não sabe muito bem a quem recorrer, ou o que fazer. Se reclama com algum funcionário, se aciona a Vigilância Sanitária/Procon ou se apenas deixa o produto para trás e escolhe outro.

Cumpre pontuar, inicialmente, que tal situação não se aplica quando a constatação do prazo de validade expirado ocorrer após a compra do produto. Neste caso, o consumidor pode requerer a troca no estabelecimento ou buscar auxílio junto ao Procon.  

Deve-se levar em consideração também a necessidade de coibir tal prática, principalmente pelo fato de que alimentos fora da data de validade podem gerar intoxicação alimentar e até outros problemas de saúde.

Assim, visando aprimorar a qualidade dos serviços oferecidos nos supermercados, a Associação Mineira de Supermercados (Amis), aderiu ao programa “De Olho na Validade”. Com o apoio de várias empresas e supermercados, o programa pretende, ainda, criar no consumidor o hábito de conferência das informações dos produtos, principalmente, a data de validade.

Aliás, vender produtos vencidos é crime inafiançável e pode render pena de dois a cinco anos de detenção para o responsável, empresário e até mesmo o gerente do estabelecimento, além de multa. Grande parte da população não sabe, mas tal prática constitui crime, previsto no artigo , parágrafo IX, da Lei 8137/90. Sendo assim, o consumidor pode também denunciar o estabelecimento junto à delegacia de polícia civil para que sejam apurados os fatos.

De fato, o o Código de Defesa do Consumidor, define como crime contra as relacões de consumo “vender, ter em depósito para vender ou expor à venda ou, de qualquer forma, entregar matéria-prima ou mercadoria, em condições impróprias ao consumo”.

Além disso, aquele que embora não tenha efetivamente comprado o produto, mas apenas tenha ingerido um alimento vencido pode ser considerado consumidor e pode pleitear a responsabilização do supermercado, conforme artigos 17 e 18, parágrafo 6º, inciso I do CDC.

Ressalta-se que para que a medida seja efetiva, cabe ao consumidor o importante papel de apoiar na fiscalização do produto e solicitar a aplicação da lei ou do programa “De Olho na Validade”.

Tal situação virou projeto de lei e atualmente está tramitando na Câmara dos Deputados (PL 8485/17). A proposta é do deputado Victor Mendes (PSD-MA) e dispõe sobre o direito do consumidor que detectar um produto exposto à venda com o prazo de validade vencido, de receber outro produto igual ou similar gratuitamente.

Na cidade de Contagem/MG, as empresas que participam da campanha “De Olho na Validade” são: Adição Distribuidora Express LTDA (Supermercados Abc); Brasileirão Supermercados LTDA (Brasileirão Supermercados); Cencosud Brasil Comercial LTDA (Bretas Supermercados); Comercial Irmãos Las Casas Ltda (Varejão da Fartura); Comercial Kalu LTDA (Supermercado Kalu); DMA Distribuidora S/A Supermercados (Epa); Minimercado Mak Santos – Eirelli – me (Mak); Multi Formato Distribuidora S/A (Super Nosso e Apoio Mineiro); Supermercado BH – Comércio de Alimentos (Supermercados BH); Wal Mart Brasil LTDA (Wal Mart).

Para maiores esclarecimentos, procure um advogado e informe-se sobre seus direitos.


Lais Helena da Silva
Advogada na comarca de Belo Horizonte, Betim e Contagem (MG).

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas