SALVADOR @ Justiça proíbe manifestantes do PT de bloquearem canteiro de obras do BRT e pede reforço policial - Observador Independente

BAHIA

14 de junio de 2018

SALVADOR @ Justiça proíbe manifestantes do PT de bloquearem canteiro de obras do BRT e pede reforço policial

Por: Vagner Souza / Por: Juliana Nobre / BocãoNews




O juiz George Alves de Assis, da 3ª Vara Cível de Salvador, determinou a proibição dos manifestantes contrários ao BRT de bloquearem o canteiro central das obras na Avenida Antônio Carlos Magalhães. A decisão desta quinta-feira (14) ainda determina multa de R$ 10 mil por crime de desobediência. 

O magistrado ainda requisitou reforço policial ao Comandante da Polícia Militar para efetivar a ação, caso haja resistência dos manifestantes. O local foi invadido na semana passada e placas de contenção foram derrubadas. 

Ainda assim, o juiz ressalta que o posicionamento contrário à implantação do modal deve ser manifestado. “[...] inclusive publicamente, o que não representa nada além do que o exercício dos direitos fundamentais de livre manifestação do pensamento e de reunião previstos nos incisos IV e XVI, da CF de 88. É pouco mais do que óbvio, entretanto, que o direito de manifestação do pensamento ou de reunião não implica em autorização para a destruição do patrimônio alheio, invasão e bloqueio de acesso a canteiro de obra. A postura nesse sentido, longe de estar agasalhada pela Constituição da República, representa puro e simples vandalismo, o que não pode ser admitido pelo Estado de Direito”.

Na decisão, o juiz ainda ressalta que aqueles que forem contrários à medida implementada pela prefeitura “que ingresse em Juízo para pretender sua paralisação ou a correção do seu rumo, sendo absolutamente ilegítimo, todavia, o meio de pressão exercido através da violência e da ameaça”.

Os locais que devem ser liberados são os canteiros de obra localizados no Acesso Mário Leal Ferreira s/n (Rótula do Abacaxi), Brotas e na Avenida Antônio Carlos Magalhães, canteiro central e trecho próximo à Rua Comercial Ramos e Parque da Cidade.

Esta é a segunda decisão judicial a favor da prefeitura de Salvador. Nesta quarta-feira (13), os Ministério Público Federal na Bahia (MPF/BA) e o Ministério Público do Estado da Bahia (MP/BA) requereram a declaração de nulidade do contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Salvador e o Consórcio BRT/Salvador e, liminarmente, a suspensão imediata das obras do BRT (Bus Rapid Transit ou Transporte Rápido por Ônibus, em tradução literal) na capital baiana.


bocãonews

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas