ASSIM FUNCIONA A JUSTIÇA BRASILEIRA @ Eliana Calmon critica aliança de magistrados com o PT, mas admite que buscou padrinhos políticos para chegar ao STJ - Observador Independente

BAHIA

17 de julio de 2018

ASSIM FUNCIONA A JUSTIÇA BRASILEIRA @ Eliana Calmon critica aliança de magistrados com o PT, mas admite que buscou padrinhos políticos para chegar ao STJ

Crédito da imagem / PSB-Rede Sustentabilidade




Uma das vozes críticas do país ao trato amistoso entre politicos e figuras do Poder Judiciário, a ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Eliana Calmon, admitiu que precisou "entrar no jogo" e buscou apadrinhamento político para conseguir chegar à segunda Corte mais importantes do Brasil. 

Em entrevista à revista Crusoé, ela revelou nomes de alguns dos seus facilitadores: Edison Lobão, Jader Barbalho e Antonio Carlos Magalhães (in memorian), todos já investigados por suspeitas de atos ilícitos na função pública. Ela foi nomeada em 1999 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso e ficou no STJ até 2013. 
Para chegar ao STJ, entrei no jogo do poder. Pedi a todo mundo, pedi aos políticos, tive padrinhos. Era para eu ser ficha suja porque Edison Lobão, Jader Barbalho, Antonio Carlos Magalhães, todos esses políticos foram efetivamente meus padrinhos. E padrinhos de verdade, viu? Todos sempre me admiraram muito, me respeitaram muito... Mas fiz o seguinte: quando cheguei ao Senado para ser sabatinada, contei publicamente quem eram os meus padrinhos. Eles adoraram isso. A independência está não na forma pela qual você chega lá, mas como você se comporta.
Calmon, contudo, sustentou que nunca atuou no STJ em favor dos interesses dos políticos com os quais tinha relações estreitas, especialmente com o ex-senador baiano Antonio Carlos Magalhães.
Como sou baiana e ACM me indicou, muita gente que precisava de alguma coisa ia até ele. Pediam a Antonio Carlos para que ele pedisse a mim. Ele sempre dizia assim: 'Não adianta, porque nem a mim ela atende'. Certa vez, o senador fez uma visita ao meu gabinete. Me disse que era uma visita de cortesia. Eu pensei até que era para pedir alguma coisa. Conversou amenidades e foi embora.
Recentemente, na ocasião do vaivém jurídico em torno da soltura do ex-presidente Lula, Eliana Calmon colocou sob suspeita as seguidas decisões do desembargador Rogério Favreto, plantonista do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) que concedeu a liberdade ao petista, no último dia 8.


BocãoNews

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas