BRASIL 🌈 CNJ normatiza troca de Nome e de Gênero em cartório para pessoas trans - Observador Independente

BAHIA

3 de julio de 2018

BRASIL 🌈 CNJ normatiza troca de Nome e de Gênero em cartório para pessoas trans

Crédito da foto AZMina / Paula Fróes




A Corregedoria Nacional de Justiça regulamentou no dia 29.06.2018 a alteração, em cartório, de prenome e gênero nos registros de casamento e nascimento de pessoas transgênero, tema que já havia sido deferido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4275-DF, na qual foi reconhecida a possibilidade de transgêneros alterarem o registro civil sem mudança de sexo ou mesmo de autorização judicial.

O Provimento n. 73 que regulamenta este procedimento prevê a alteração das certidões sem a obrigatoriedade da comprovação da cirurgia de mudança de sexo nem de decisão judicial. O normativo aduz ainda que toda pessoa maior de 18 anos habilitada à prática dos atos da vida civil pode requerer a averbação do prenome e do gênero, a fim de adequá-los à sua identidade de gênero.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAÇÃO DO REQUERIMENTO

Documentos Pessoais;
Certidões negativas criminais;
Certidões cíveis estaduais e federais do local de residência dos últimos cinco anos;
Certidão de tabelionatos de protestos do local de residência dos últimos cinco anos,
Certidões da justiça eleitoral, da justiça do trabalho e da justiça militar (se o caso).

Frise-se que é apenas facultativo ao requerente juntar laudo médico que ateste a transexualidade/travestilidade; parecer psicológico que ateste a transexualidade/travestilidade e laudo médico que ateste a realização de cirurgia de redesignação de sexo.
Ações em andamento ou débitos pendentes impedem a averbação da alteração pretendida?

Segundo a regulamentação, NÃO. As certidões solicitadas servem apenas para que seja devidamente comunicada a alteração aos órgãos competentes pelo ofício do Registro Civil das Pessoas Naturais (RCPN) onde o requerimento foi formalizado.
De acordo com o juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça Márcio Evangelista, o provimento, construído com base em consultas às Corregedorias estaduais, associações de notários e registradores e movimentos sociais ligados à matéria, confere padronização nacional e segurança jurídica ao assunto.

Frise-se que esta regulamentação está de acordo com a legislação internacional de direitos humanos, em especial com o Pacto de San José da Costa Rica, o qual impõe o respeito ao direito ao nome, ao reconhecimento da personalidade jurídica, à liberdade pessoal e à honra e à dignidade; e à Lei de Registros Publicos.

Fonte: CNJ

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas