FEIRA DE SANTANA @ MPT doa picape adquirida com recursos de ação judicial à Polícia Militar em Feira - Observador Independente

BAHIA

10 de julio de 2018

FEIRA DE SANTANA @ MPT doa picape adquirida com recursos de ação judicial à Polícia Militar em Feira

A entrega do da Picape modelo Amarok cabine dupla foi feita pelas procuradoras do MPT Annelise Leal, responsável pela ação, e Silvia Valença / Foto: Divulgação/MPT





O Ministério Público do Trabalho (MPT) entregou esta semana à Polícia Militar uma picape cabine dupla a diesel adquirida com recursos pagos por empresa que fechou acordo em ação judicial movida pelo órgão.

O veículo será utilizado no patrulhamento do município de Feira de Santana, onde o processo corria. Além de comprar o veículo, no valor aproximado de R$160 mil, a empresa Torres Comércio de Derivados de Petróleo Ltda., que detém postos de combustíveis no município, se comprometeu a cumprir sete medidas de garantia de ambiente de trabalho sadio para seus funcionários.

A entrega do da Picape modelo Amarok cabine dupla foi feita pelas procuradoras do MPT Annelise Leal, responsável pela ação, e Silvia Valença ao representante da 66' Companhia Independente da Polícia Militar de Feira de Santana. 

 órgão entrou na Justiça do Trabalho com a ação de execução em 2013 após denúncia do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado da Bahia (Sinposba) de irregularidades cometidas pela empresa em relação a fornecimentos de equipamentos de proteção individual e monitoramento da saúde de seus funcionários. Em março deste ano, a 1ª Vara do Trabalho de Feira homologou o acordo fechado entre o MPT e a empresa.
Optamos por reverter o valor da multa pelo descumprimento de um termo de ajuste de conduta assinado pela empresa com o MPT para a aquisição de um bem que servirá a toda a sociedade, especialmente à população de Feira de Santana, que é um veículo para ajudar o trabalho de garantia da segurança pública prestado pela Polícia Militar da Bahia, 
explicou a procuradora Annelise Leal.

 As destinações de bens e serviços têm sido cada vez mais utilizadas pelo MPT como forma de reverter diretamente à sociedade os valores a serem pagos por empresas que descumprem a legislação trabalhista e que têm que indenizar a sociedade pelos danos morais coletivos.

A Torres já havia assinado um termo de ajuste de conduta pelo mesmo motivo em 2009 com o MPT, que iniciou as investigações e realizou uma série de perícias técnicas nas unidades da empresa em Feia de Santana, constatando que havia o descumprimento dos compromissos assumidos no TAC.

Segundo o MTP, a empresa não providenciou vestiários adequados, nem vinha realizando exames médicos admissionais, demissionais e periódicos, assim como não havia implantado um Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Além disso, não dispunha de sanitários adequados para os funcionários nem fornecia e fiscalizava o uso de equipamentos de proteção individual.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.
O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.
VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas