INSS @ Contribuí com o INSS durante alguns anos, agora, desempregado e doente, posso receber o auxílio-doença? - Observador Independente

BAHIA

10 de julio de 2018

INSS @ Contribuí com o INSS durante alguns anos, agora, desempregado e doente, posso receber o auxílio-doença?






Sim, você pode; mas tudo há um porquê e alguns requisitos são exigidos para que a pessoa, ex-contribuinte, receba o tal benefício.

Quando o requerente se encaixar em algum dos requisitos exigidos pelo INSS, deverá ser beneficiado; havendo negativa poderá, inclusive, recorrer à instância superior do referido órgão e depois (se ainda não conseguir) partir par ao judiciário.

Explicando melhor:

Suponha que você tenha contribuído 17 anos ininterruptos e depois perdeu o emprego (sendo assim, como é lógico, perdeu também a qualidade de segurado do INSS). O que fazer se, após algum tempo desempregado, adoecer?

*R: Se vier a ficar doente entre os 12 meses seguintes ao desemprego terá direito a receber o auxílio doença e contará com mais 12 (doze) meses (de graça) caso tenha mais de 120 contribuições consecutivas ou intercaladas; no entanto, nesse intervalo não deve perder a qualidade de segurado. Caso perca, o cidadão deverá, novamente, contar com 120 contribuições para ter direito à prorrogação do período de graça (falaremos sobre ele em um título próprio – abaixo). Entretanto, poderá ter, ainda, mais 12 (doze) meses, caso seja registrado no Sistema Nacional de Emprego – SINE ou tenha recebido seguro-desemprego, ambos dentro do período que mantinha a qualidade de segurado.

Outra hipótese em que a pessoa teria direito é a seguinte:

  1. Suponha que seja condenado e preso por um crime que tenha cometido e fique no cárcere durante cinco anos. Nesse período em que estiver cumprindo pena a família receberá auxílio reclusão, pois é um direito adquirido pelos 15 anos em que esteve contribuindo com o INSS (menos que fosse). Ao ser solto terá a qualidade de segurado (ASSEGURADA) pelos próximos 12 meses seguintes (isso também se chama período de graça).
  2. Outra possibilidade: caso venha necessitar do auxílio do INSS, mas deixou de pagar como “FACULTATIVO”, conte do último recolhimento ao INSS (até dar 06 (seis) meses), se estiver dentro desse prazo terá o direito que estiver pleiteando (não aceite um NÃO da Autarquia – vá até as últimas instâncias se preciso for)! 
  3. Era um jovem trabalhador (contribuía com o INSS) mas precisou servir às forças armadas (em período obrigatório)? Pois é, nesse caso você também terá direito ao período de graça. Até 03 (três) meses após o licenciamento será “agraciado” com o seguro do INSS – mas, que fique claro para todos, não só para o egresso do serviço militar – esse período de graça é só para estar SEGURADO. Você não receberá nada se não vier a necessitar, tampouco contará como tempo para se aposentar.
  4. Outro caso interessante em que o beneficiário é coberto, sem contribuir, é o do trabalhador afastado por doença de segregação compulsória.
Mas, quais seriam as doenças de segregação compulsória, e o que ela é?

R: Segregação compulsória é o afastamento obrigatório do empregadoem razão de alguma enfermidade contagiosa ou totalmente incapacitante.
ABAIXO, ALGUNS EXEMPLOS DE DOENÇA DE SEGREGAÇÃO COMPULSÓRIA:

Tuberculose ativa; Hanseníase (lepra); Alienação mental; Neoplasia maligna (câncer); Cegueira; Paralisia irreversível e incapacitante; Cardiopatia grave (cardiopatia isquêmica, cardiopatia hipertensiva, miocardiopatias, valvopatias, cardiopatias congênitas arritmias desde que comprovada por Junta Médica); Doença de Parkinson;

Nefropatia grave; Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – AIDS; Hepatopatia grave, etc. Nesses casos, o empregado afastado terá até 12 (doze) meses de cobertura grátis (período de graça) após terminar a segregação.

Sobre o que acabamos de citar você poderá encontrar equivalência legal; da mesma forma, querendo, poderá consultar o que passaremos a transcrever:

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 77 DE 21.01.2015

DA MANUTENÇÃO E PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO (o mesmo aqui prescrito você encontrará na Lei 8.213/1991, Artigo 15, todos seus incisos e parágrafos).

Art. 137. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuição:
I – sem limite de prazo, para aquele em gozo de benefício, inclusive durante o período de recebimento de auxílio-acidente ou de auxílio suplementar;
II – até doze meses após a cessação de benefícios por incapacidade, salário maternidade ou após a cessação das contribuições, para o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela Previdência Social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração, observado que o salário maternidade deve ser considerado como período de contribuição;
III – até doze meses após cessar a segregação, para o segurado acometido de doença de segregação compulsória;
IV – até doze meses após o livramento, para o segurado detido ou recluso;
V – até três meses após o licenciamento, para o segurado incorporado às Forças Armadas para prestar serviço militar; e
VI – até seis meses após a cessação das contribuições, para o segurado facultativo, observado o disposto no § 8º deste artigo.
§ 1º O prazo de manutenção da qualidade de segurado será contado a partir do mês seguinte ao das ocorrências previstas nos incisos II a VI do caput.
§ 2º O prazo previsto no inciso II do caput será prorrogado para até 24 (vinte e quatro) meses, se o segurado já tiver pago mais de 120 (cento e vinte) contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado, observando que, na hipótese desta ocorrência, a prorrogação para 24 (vinte e quatro) meses somente será devida quando o segurado completar novamente 120 (cento e vinte) contribuições mensais sem perda da qualidade de segurado.
§ 3º Aplica-se o disposto no inciso II do caput e no § 2º deste artigo ao segurado que se desvincular de RPPS, desde que se vincule ao RGPS.
§ 4º O segurado desempregado do RGPS terá o prazo do inciso II do caput ou do § 1º deste artigo acrescido de doze meses, desde que comprovada esta situação por registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, podendo comprovar tal condição, dentre outras formas:
I – comprovação do recebimento do seguro-desemprego; ou
II – inscrição cadastral no Sistema Nacional de Emprego – SINE, órgão responsável pela política de emprego nos Estados da federação.
§ 5º O registro no órgão próprio do MTE ou as anotações relativas ao seguro-desemprego deverão estar dentro do período de manutenção da qualidade de segurado de doze ou 24 (vinte e quatro) meses, conforme o caso, relativo ao último vínculo do segurado.
§ 6º A prorrogação do prazo de doze meses, previsto no § 4º deste artigo, em razão da situação de desemprego, dependerá da inexistência de outras informações que venham a descaracterizar tal condição, ou seja, exercício de atividade remunerada, recebimento de benefícios por incapacidade e salário maternidade, dentro do período de manutenção de qualidade de segurado.
§ 7º O segurado facultativo, após a cessação de benefícios por incapacidade e salário-maternidade, manterá a qualidade de segurado pelo prazo de doze meses.
§ 8º O segurado obrigatório que, durante o gozo de período de graça [12 (doze), 24 (vinte e quatro) ou 36 (trinta e seis) meses, conforme o caso], se filiar ao RGPS na categoria de facultativo, ao deixar de contribuir nesta última, terá direito de usufruir o período de graça de sua condição anterior, se mais vantajoso.
§ 9º O segurado obrigatório que, durante o período de manutenção da qualidade de segurado decorrente de percepção do benefício por incapacidade, salário maternidade ou auxílio-reclusão, se filiar ao RGPS na categoria de facultativo, terá direito de usufruir do período de graça decorrente da sua condição anterior, se mais vantajoso.
§ 10. Para o segurado especial que esteja contribuindo facultativamente ou não, observam-se as condições de perda e manutenção de qualidade de segurado a que se referem os incisos I a V do caput.
Art. 138. Durante os prazos previstos no art. 137, o segurado conserva todos os seus direitos perante a Previdência Social. (exceto o de contar o tempo de graça como tempo contribuído para aposentar – como é evidente).
Falamos tanto em período de graça e não explicamos exatamente o que ele é.

Para finalizar, vamos lá então?

PERÍODO DE GRAÇA

É o período em que o segurado terá como proteção do INSS, mesmo sem contribuir, mesmo sem estar com carteira assinada. Esse período dá alguns direitos ao segurado. Esses direitos podem ser verificados na Lei 8.213/91, em seu artigo 15, incisos e parágrafos – sem falar na instrução normativa 77/2015 (que acabamos de citar) e diz praticamente o mesmo sobre a manutenção da qualidade de segurado.


Elane Souza DCJ Advocacia Apaixonada pela Justiça, JUSTA!
Advogada há mais de 14 anos; colou grau em Direito no ano de 2003 pela UNIC - Cuiabá - BR; Em 2004 realizou o Exame da OAB e obteve aprovação; Meados de maio de 2007 foi viver em Lisboa, por questões pessoais, e só retornou no ano de 2011; Hoje raramente advoga, dedica-se mais a redação de artigos e parte do tempo divulga seus Blogs – acredita que a Advocacia não é bem sua vocação apesar de apaixonada pelo Direito, mas por não se fiar muito na Justiça Brasileira prefere escrever. Áreas de maior envolvimento são: D.Humanos, Direito de Família, Penal, Criminologia e Medicina Legal. Tudo que escreve publica em seus Blogs: Diário de Conteúdo Jurídico: http://www.diariodeconteudojuridico-porelanesouza.com Divulgando Direitos: https://divulgandodireitos.com e Diário C. Jurídico facebook

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.
O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.
VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas