SALVADOR @ Shopping da Gente tem denúncias de estelionato e caso vai parar no MP - Observador Independente

BAHIA

6 de julio de 2018

SALVADOR @ Shopping da Gente tem denúncias de estelionato e caso vai parar no MP

Inaugurado com dois anos de atraso, o empreendimento acumula problemas estruturais
Foto : Tácio Moreira/Metropress




Se tem alguém que conhece o verdadeiro significado da expressão “comprar gato por lebre”, ele está no Shopping da Gente, em Salvador. O empreendimento na Av. Antônio Carlos Magalhães — inaugurado com dois anos de atraso —, foi vendido como “um dos mais modernos” da capital, no entanto, acumula problemas estruturais e o descontentamento dos investidores. 

Quem acreditou no projeto teve a decepção concretizada logo na abertura das portas, em julho de 2016. De acordo com os lojistas, ainda falta tudo no local pensado para ser popular: gestão, segurança, climatização, limpeza e até piso. Sem respostas do empresário Carlos Piñon Filho, um dos responsáveis pelo espaço, os permissionários acionaram a Justiça e se reuniram com o Ministério Público da Bahia (MP-BA) na semana passada. 

De acordo com o presidente da Associação dos Lojistas (ALSDG), Pedro Vilas Boas, mesmo inacabado, o shopping chega a ter um aluguel três vezes mais caro que em estabelecimentos maiores como o Salvador Shopping. “São microempresários e existe uma carência financeira. Essas pessoas pegaram o FGTS, financiamento e investiram na maior dificuldade. Quando foi entregue não tinha nem banheiro funcionando, mas tinha o aluguel e o condomínio para pagar”, afirmou. 


“Existe um problema de estelionato no shopping”

Os comerciantes até tentam encontrar a saída para os prejuízos acumulados, sem sucesso. Alguns relatam, inclusive, que um mesmo box foi vendido para mais de duas pessoas. “Teve gente que perdeu as lojas para a administração, gente que já tinha montado a loja. Ele [Piñon] tomou e trocou fechaduras”, contou uma lojista, que preferiu não se identificar.

A declaração foi reforçada pelo presidente da associação. “Temos um processo criminal. Diversas lojas foram vendidas a três pessoas diferentes. É bom deixar claro que existe um problema de estelionato no shopping”, afirmou. Carlos Piñon Filho não foi encontrado para responder as acusações. Uma nova reunião com MP-BA está marcada para o dia 16 de agosto.


Gabriel Nascimento/Metro1

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas