CACHOEIRA @ Adeptas do candomblé, irmãs celebram Nossa Senhora da Boa Morte com ‘devoção exclusiva’ - Observador Independente

BAHIA

10 de agosto de 2018

CACHOEIRA @ Adeptas do candomblé, irmãs celebram Nossa Senhora da Boa Morte com ‘devoção exclusiva’

Gerente do Ipac, Nívea Santos detalhou como será a tradicional festa de Cachoeira na próxima semana / / Foto : Elói Corrêa/GOVBA





Patrimônio cultural imaterial da Bahia, a Festa da Irmandade da Boa Morte será celebrada na próxima semana, de segunda (13) a sexta-feira (17), em Cachoeira, no Recôncavo baiano. 

A manifestação religiosa tem quase 240 anos e, como protagonista, a devoção de mulheres negras à Nossa Senhora da Boa Morte e Glória – devido à assunção dela ao céu. Tradicionalmente, o grupo é formado por mulheres a partir de 50 anos, solteiras ou viúvas.

Em entrevista à Rádio Metrópole, Nívea Santos, gerente de cultura imaterial do Ipac (Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural), contou que, apesar de atualmente muitas das adeptas da irmandade serem membros de terreiros de candomblé, durante a celebração à santa “a devoção é exclusiva”.

“Elas têm essa separação mesmo e não é somente de 13 a 17. Há todo um processo anterior a esses dias, tanto de preparação para a festa quanto da devoção em si. Na irmandade, há determinados cargos. A provedora, por exemplo, precisa manter a Nossa Senhora durante um ano em sua residência. O sentimento delas é realmente de guarda dessa fé”, declarou. A festa dura uma semana porque é processual. 

“No dia 13 são lembradas as irmãs já falecidas. A ceia e as vestes são brancas. No início, a ceia era privada. Hoje, as irmãs dividem com as pessoas que estão naquele momento. O dia seguinte é o da dormição. É quando a procissão sai. No dia 15 seria o ápice: o dia em que a nossa senhora sobe ao céu. É o mais concorrido. Há a valsa e o samba de roda. Antes de servir a ceia, uma feijoada, e depois há uma programação de manifestações culturais locais”, acrescentou.

Para integrar a cúpula da irmandade, a mulher interessada a pertencer ao grupo se aproxima, a convite de alguma integrante, e acompanha as atividades à distância, até que a irmandade a aceite. O comportamento e a dedicação dela são critérios avaliados para a inclusão da nova irmã: “De bolsa”. Ela será responsável por angariar recursos para a festa na própria cidade de Cachoeira ou no município onde reside.

Cada mulher dentro da organização desempenha uma atividade específica, com cargos e hierarquia. Há irmãs responsáveis pelas finanças, pela organização do festejo, pela fabricação de velas e incensos artesanais – usados durante a procissão – e até mesmo a fase de estágio, que dura entre dois a três anos.


Metro1

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas