CAMAÇARI @ Apesar de absolvida, Elinaldo não garante retorno de Juliana Paes ao primeiro escalão - Observador Independente

BAHIA

3 de agosto de 2018

CAMAÇARI @ Apesar de absolvida, Elinaldo não garante retorno de Juliana Paes ao primeiro escalão


Crédito da foto / Brasil 247




"Ela está feliz onde está e eu também". Com essas palavras o prefeito de Camaçari Elinaldo (DEM), durante a convenção do DEM, descartou a possibilidade da ex-secretária de Desenvolvimento Urbano de Camaçari, Juliana Franca Paes, apesar de absolvida da acusação de associação criminosa, peculato, corrupção passiva, concussão e ameaças, retornar ao posto. 

Hoje ela ocupa o cargo de assessora especial da secretaria de governo da prefeitura. "Temos confiança em Juliana. Ela que pediu para ir para um lugar mais tranquilo com a turbulência que estava acontecendo, mas não resta dúvida da sua competência, que ela é uma grande técnica, uma ótima urbanista, mas está feliz onde está e eu também", disse. 

De acordo com a denúncia do Ministério Público Estadual (MP-BA), a secretária e o marido dela, Aridã de Souza Carneiro, chefiavam uma quadrilha que exigia propinas de empresas e investidores interessados na aprovação de empreendimentos imobiliários de médio e alto luxo no município.

Os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), no entanto, reafirmaram a decisão do juiz Ricardo Dias de Medeiros Netto, da 1ª Vara Criminal de Camaçari, de fevereiro de 2018, que rejeitou a denúncia realizada pelo MP-BA contra a ex-secretária.

Entre as justificativas para inocentar Juliana estava o princípio do promotor natural: a 7ª Promotoria de Justiça da Comarca de Camaçari, responsável pela denúncia, não tem atribuição criminal. Por isso, não poderia realizar a investigação e oferecer a denúncia à Justiça.



Por: Gilberto Júnior/BNews Por: Guilherme Reis e Fernanda Chagas
AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Paginas