CASA NOVA @ Banco de Sementes Crioulas de Casa Nova é referência em Simpósio sobre a Caatinga - Observador Independente

BAHIA

1 de agosto de 2018

CASA NOVA @ Banco de Sementes Crioulas de Casa Nova é referência em Simpósio sobre a Caatinga

Crédito da foto / Agência Chocalho




Pesquisadores, estudantes e agricultores familiares relacionados à vida na Caatinga participam, até esta sexta-feira (03), do II Simpósio do Bioma Caatinga - SIBIC, que acontece nos campus da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), em Petrolina (PE) e em Juazeiro (BA). 

O evento busca promover o intercâmbio de informações e fomentar a articulação de diferentes atores, de variadas áreas do conhecimento, para debater e compreender melhor a dinâmica dos processos ecológicos da Caatinga e discutir o uso e manejo adequados dos recursos naturais, de forma que possam minimizar e reverter a degradação do bioma e aproveitar o seu potencial.

O simpósio, que ocorre juntamente com o VI Workshop de Sementes e Mudas da Caatinga, é uma promoção da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Semiárido), em parceria com a Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Univasf, com o apoio de diversas organizações públicas e da sociedade civil organizada. 

Os participantes e visitantes do simpósio dispõem de uma diversidade de experiências, em exposição no Complexo Multieventos da Universidade, em Juazeiro. Entre elas, a do jovem Ricardo Silva Santos, da comunidade de Lagoinha, interior de Casa Nova (BA), que expõe o Banco de Sementes Crioulas de sua comunidade. 

A iniciativa conta com o apoio do Pró-Semiárido, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado da Bahia (SDR), contando com recursos do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

Ricardo, que é Agente Comunitário Rural (ACR), relata a importância dessa prática para o modo de produção das famílias que cultivam e armazenam esse tipo de semente. Ele ressalta que o hábito de cultivar e armazenar esse tipo de sementes nativas ou crioulas, como também são chamadas, sempre fez parte da tradição das famílias agricultoras da localidade. 

Segundo o jovem, a ideia de se construir um Banco Comunitário surgiu em 2014, com o incentivo do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (Irpaa). Depois, o Serviço de Apoio às Organizações Populares (Sasop), trouxe para o banco outras variedades de sementes que ainda não tinham no local, iniciativas estas que serviram de incentivo para famílias de Lagoinha.
Crédito da foto / Agência Chocalho



Referência

A experiência do Banco de Sementes Crioulas de Lagoinha vem sendo apresentada em encontros, intercâmbios de experiências e outros eventos que debatem a proposta de Convivência com o Semiárido e as formas de vida na Caatinga, conforme explicou Liziane Castro, técnica do Pró-Semiárido no Serviço de Apoio Territorial a Agricultura Familiar (SETAF) de Juazeiro.

Liziane destaca que o objetivo é potencializar o Banco de Sementes na perspectiva de dar visibilidade à iniciativa, para que sirva de exemplo paras outros jovens rurais. De acordo com a técnica, a inteção do Pró-Semiárido é que o projeto de Ricardo se torne referência e possa motivar outros jovens a ajudarem suas comunidades a preservarem as sementes crioulas, considerando que isso também é uma estratégia de convivência com o bioma Caatinga.

A experiência de Lagoinha está no centro das discussões do simpósio, que procura também chamar a atenção para o desaparecimento de espécies vegetais antes presentes na Caatinga e que estão sendo substituídas por sementes geneticamente modificadas, fazendo com que os povos da Caatinga percam sua autonomia na prática da agricultura tradicional.
AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Paginas