ELEIÇÕES 2018 ⚠️⚠️ De geração para geração: grandes caciques lançam filhos em busca de ampliação, manutenção ou retorno ao poder - Observador Independente

BAHIA

14 de agosto de 2018

ELEIÇÕES 2018 ⚠️⚠️ De geração para geração: grandes caciques lançam filhos em busca de ampliação, manutenção ou retorno ao poder

Crédito da foto // Reprodução 




As eleições de 2018, apesar do anseio da população por mudanças, no que depender dos grandes caciques baianos permanecerá no mais do mesmo, passando de geração para geração na expectativa de transferência de votos. Na disputa por uma cadeira na Assembleia Legislativa da Bahia e Câmara Federal, por exemplo, não faltam nomes com o intuito claro de ampliação, manutenção ou retorno ao poder, através dos próprios filhos, cujas experiências 'vem de berço'. O PSD lidera a lista. 

O candidato ao Senado pela chapa do governador Rui Costa, Angelo Coronel (PSD), hoje presidente da Assembleia Legislativa, investe pesado na campanha de Diego Coronel, ex-prefeito de Coração de Maria. Ele acredita que o filho pode substituí-lo na Assembleia. Além dele, o presidente do partido no estado, senador Otto Alencar, lançou o nome de Otto Filho, atual presidente do Desenbahia, o que seria uma dobradinha com o filho de Coronel.

E não para por aí. O prefeito de Santo Antônio de Jesus, ex-deputado estadual, Rogério Andrade, também pessedista, não perdeu a oportunidade de lançar Rogério Andrade Filho, como forma de substitui-lo no parlamento. Rogério Filho, de apenas 20 anos, inclusive, o tem representado em entregas de benefícios, como ambulâncias em diversos municípios, através de suas emendas parlamentares pendentes.

Quem também deve seguir os passos dos pais e engrossar a fileira do PSD na Assembleia é Larissa Oliveira, filha do prefeito de Eunápolis, Robério Oliveira e da prefeita de Porto Seguro, Cláudia Oliveira. Larissa é advogada e foi secretária de Desenvolvimento Social de Eunápolis. Tanto Rogério Andrade Filho quanto Larrisa Oliveira vão tentar tomar de volta as cadeiras deixadas pela família na Assembleia no ano passado. 

Outro integrante do time dos herdeiros é João Paulo Isidório (Avante), filho do deputado estadual Pastor Sargento Isidório (Avante), um dos maiores detentores de voto na Bahia. O pai tentará uma vaga na Câmara dos Deputados e faz dobradinha com João, que hoje comanda a Fundação Doutor Jesus. 

Por falar em ‘herança de votos’, também está de olho na fatia do bolo, o atual prefeito de Monte Santo, Edivan Fernandes, “Vando” que foi eleito em 2014 e no ano de 2016 para a Alba e se afastou para concorrer à prefeitura. Vando lançou seu filho, o vereador Laerte Leandro de Araújo Fernandes (PSC) de Monte Santo, conhecido como Laerte do Vando, que tem acompanhado de forma intensa o pai nos municípios onde ele computa mais votos. 

Aliado a isso, tentando a reeleição como deputado federal; o demista José Carlos Aleluia (DEM) quer o filho Alexandre Aleluia, já vereador em Salvador, como deputado estadual.

A ex-prefeita e ex-secretária de Desenvolvimento Urbano da Bahia, Jusmari Oliveira, que também já foi eleita depututada federal e estadual, cogitou lançar o filho Phelipe de Oliveira para a vaga, mas voltou atrás e optou por colocar seu próprio nome na disputa em busca de retornar ao posto. Ela se diz mais preparada e com muito mais conhecimento. Segundo ela justifica, hoje possui domínio de assuntos que em outras épocas tinha alguma dificuldade.

Ainda no rol, vale destacar que o ex-presidente da Assembleia, que hoje busca uma vaga para federal, quer emplacar o genro, Marcelo Veiga, também estadual.

Filho do deputado estadual Manassés (PSD), Igor Manassés (PSL), faria dobradinha com o pai, que busca uma vaga no Congresso Federal, mas assumiu uma vaga na Câmara de Salvador, em lugar de de José Trindade (Podemos), que se licenciou para ser um dos coordenadores da campanha de Rui Costa (PT).


Fernanda Chagas // Bocão News 
AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Paginas