FEIRA DE SANTANA @ Justiça determina suspensão de interdição parcial do Conjunto Penal e unidade volta receber presos - Observador Independente

BAHIA

6 de agosto de 2018

FEIRA DE SANTANA @ Justiça determina suspensão de interdição parcial do Conjunto Penal e unidade volta receber presos

Conjunto Penal de Feira de Santana, na Bahia, teve fuga de seis preso 
(Foto: Almir Melo / TV Subaé)




Decisão foi publicada nesta segunda-feira (6). Segundo TJ-BA, interdição agravava problema de superlotação em outras unidades carcerárias da Bahia.

A Justiça determinou, nesta segunda-feira (6), a suspensão da interdição parcial do Conjunto Penal de Feira de Santana, cidade a cerca de 100 km de Salvador. De acordo com o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), a interdição de parte do presídio agravava o problema de superlotação em outras unidades carcerárias baianas.

De acordo com o TJ, a decisão foi do desembargador Gesivaldo Britto. O Conjunto Penal de Feira de Santana foi interditado parcialmente no dia 26 de abril deste ano e ficou pouco mais de três meses sem receber novos presos após a Justiça atender a um pedido do Ministério Público da Bahia (MP-BA). A partir desta segunda, a unidade já pode abrigar outros internos.

A Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia (Seap) informou que a unidade abriga presos provisórios, portanto, a entrada e saída é comum, e o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado com o Mistério Público da Bahia não previa a saída de presos, somente impedia entrada de novos.

De acordo com a Polícia Civil, o Complexo de Delegacias de Feira de Santana ficou com superlotação de presos por conta da interdição parcial do Conjunto Penal do município.

Segundo a Seap, o Conjunto Penal de Feira de Santana, antes da interdição, tinha 340 vagas, mas abrigava 900 presos. Durante os últimos três meses, a unidade passou por uma reforma para atender às exigências feitas no TAC firmado com o MP e ampliou o número de vagas para 1.356, o que permite a entrada de novos.


Agora, unidade prisional também tem nove portais detectores de metais, circuito interno de câmeras, controle de abertura e fechamento das celas, sem que haja necessidade de contato do agente penitenciário com os presos.

Interdição

A interdição foi por conta de uma ação movida pelo Ministério Público do Estado (MP-BA) e a Ordem de advogados da Bahia (OAB), desde 2015. Na sentença, o juiz de execuções penais, Waldir Viana, pediu o cumprimento do TAC feito com o governo do estado, principalmente quanto a separação de presos do regime fechado e semiaberto, bem como dos presos provisórios dos definitivos. O TAC prevê também a ampliação do presídio.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas