LAURO DE FREITAS @ DENÚNCIA # Mulher tem filho no banco de praça na Bahia após não conseguir ser atendida em hospital por falta de obstetra - Observador Independente

BAHIA

14 de agosto de 2018

LAURO DE FREITAS @ DENÚNCIA # Mulher tem filho no banco de praça na Bahia após não conseguir ser atendida em hospital por falta de obstetra

Corredor de hospital na Bahia / Crédito da foto // Spotink // Meramente ilustrativa




Caso aconteceu no domingo (12), no Hospital Menandro de Farias, em Lauro de Freitas. No dia anterior, outra gestante deu à luz no corredor da unidade, que também estava sem o especialista.

Um dia antes de uma jovem dá à luz ao filho no corredor do Hospital Menandro de Farias, uma mulher teve um bebê no banco de uma praça a poucos metros da unidade de saúde, após também não conseguir ser atendida no local, que fica em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador.

A grávida foi informada pelos funcionários do hospital que não tinha médico obstreta na unidade. O parto foi feito na rua por uma amiga, uma vendedora ambulante e mototaxistas. Mãe e bebê foram levados, por uma equipe do Samu, para uma unidade de saúde que não foi informada. A mãe e a criança passam bem.

Ao chegar no hospital, a mulher, que não foi identificada, falou com o segurança da unidade que estava com muitas dores e pediu para ser levada por uma ambulância para outra unidade de saúde onde pudesse ter o bebê.

Após esperar por um tempo na unidade, a grávida, que estava acompanhada de uma amiga, decidiu ir embora. Com apenas R$ 20 nas mãos, a gestante chegou a solicitar uma corrida para um taxista que estava nas proximidades do hospital, mas ele cobrou R$ 30 pelo serviço e se negou a levar a mulher até outra unidade de saúde.

"A gente chegou no Menandro [hospital] e peguei o documento dela. Da forma que eles [funcionários] estavam, escutando música, falaram que não tinha obstreta. Mandaram ela voltar para casa. Um hospital desse, grande. Não é só com ela que aconteceu, é com todas as mães. Ela estava com muita dor, não tava mais segurando. A gente teve que sair do Menandro até o mercado andando, em Lauro de Freitas, na madrugada. Quando a gente chegou no mercado, ela não aguentou a dor, ela pariu", desabafou, Aline Miranda, amiga da gestante.
Gravida teve filho no banco de uma praça (Foto: TV Bahia)



"Não sabia o que fazer. Tive que gritar socorro. Os mototaxis que vieram socorrer a gente. Eu agradeço muito a uma moça, que trabalha lá vendendo cerveja, que veio com o pano e fez o parto dela, sentada, no banco da praça. Isso é uma vergonha", relatou Aline.

Conforme a diretora de gestão da rede hospitalar da Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), Tereza Paim, apesar da falta do obstreta, o Hospital Menandro Farias possui outros profissionais que podem dar assistência a gestantes.

"O acolhimento é necessário. A gente, às vezes, não tem o obstreta. É uma classe de especialistas que nem sempre está disponível, mas a gente tem um enfermeiro obstreta, um médico clínico, que no caso da segunda paciente, acolheu a paciente. Então, não necessariamente será o obstreta que dará o primeiro atendimento, existem todos os fluxos de acolhimento que fazem isso acontecer" afimrou Tereza.

Segundo a diretora de gestão hospitalar da Sesab, a Secretaria de Saúde e a direção do hospital vão reforçar a capacitação dos funcionários da unidade médica para evitar novos casos. "Nesse caso específico, nós conversamos com a diretoria e reforçamos a capacitação do pessoal para que entendam o acolhimento", disse Tereza.

De acordo com a diretora de gestão, novos profissionais devem ser contratados para atender à demanda.


g1/Bahia
AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Paginas