MARAGOJIPE @ Meninas e mãe mortas em segundas-feiras diferentes podem ter sido envenenadas, diz tio - Observador Independente

BAHIA

14 de agosto de 2018

MARAGOJIPE @ Meninas e mãe mortas em segundas-feiras diferentes podem ter sido envenenadas, diz tio

Crédito da Foto: leitor



A polícia ainda espera o laudo que deve apontar as causas da morte de Adryane Ribeiro e suas duas filhas, Gleicy Kelly Ribeiro dos Santos, de 5 anos, e Ruthy Ribeiro dos Santos, de apenas um ano, no município de Maragojipe, Recôncavo da Bahia. As três morreram em três segundas-feiras, entre os dias 30 de julho e 13 de agosto.

A informação foi dada ao site Aratu Online na tarde desta terça-feira (14/8) pelo titular da delegacia local, Adeilton Pereira. O delegado contou ainda que os depoimentos dos familiares foram recolhidos. O conteúdo não foi revelado.

O tio das crianças, conhecido como Didi da Avenida, contou que Ruthy, primeira menina morta, não apresentou sintomas antes da fatalidade, mas chorava bastante por não conseguir falar. A segunda, Gleicy, se queixou de vistas escurecidas e de que “estava ficando cega”, até morrer. A mãe, no entanto, passou mal.

“Foi um mal estar, ela estava na igreja rezando na hora e aí levamos na UPA [Unidade de Pronto Atendimento] da região. Não demorou muito e ela veio a óbito”. Didi revelou, ainda, que há suspeitas de que as três tenham sido envenenadas. Por nota, a Secretaria Municipal de Saúde explicou os precedimentos adotados para cada vítima.

VEJA O TEXTO NA ÍNTEGRA:

A Secretaria Municipal de Saúde informa que a Unidade de Pronto Atendimento – UPA 24h de Maragojipe prestou atendimento imediato à criança e à mãe que deram entrada na unidade nos dias 6 e 13 de agosto de 2018, respectivamente.
De acordo com o médico plantonista, em 06 de agosto de 2018, a criança deu entrada na unidade já desfalecida, sem outros sintomas aparentes. Foram realizados os procedimentos de reanimação, porém sem sucesso.
A genitora da criança deu entrada na unidade, no dia 13 de agosto de 2018, expelindo secreção pela boca, dentre outros sintomas. Foram realizados todos os procedimentos cabíveis para o quadro apresentado, sem êxito, chegando a paciente a óbito em poucos minutos.
Em relação à criança da mesma família, que faleceu no dia 31 de julho de 2018, a Secretaria de Saúde de Maragojipe não tem um posicionamento a respeito, tendo em vista que a mesma foi encaminhada e recebeu atendimento em hospital da cidade vizinha.
Os corpos das pacientes atendidas na UPA 24h foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML), a fim de apurar possíveis causas criminosas. Somente o laudo da necropsia poderá revelar a causa das mortes. A Polícia Civil do Município abriu inquérito para apuração e está investigando o caso.
Um pedido de adiantamento do resultado dos exames de necropsia está sendo encaminhado pelo Município ao IML. A Secretaria de Saúde realizou exames no pai/marido das vítimas e aguarda resultados. A Diretoria Regional de Saúde (Dires) e a Vigilância Epidemiológica foram acionadas para dar suporte na investigação.
O Município, solidário com a dor dos familiares e preocupado com o mistério do caso, está prestando todo o apoio necessário para apuração dos fatos a fim de encontrar rapidamente as respostas e adotar as providências que se fizerem necessárias.
AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Paginas