QUIXABEIRA @ Festa do licuri promove preservação e valorização da espécie e seu sistema produtivo - Observador Independente

BAHIA

20 de agosto de 2018

QUIXABEIRA @ Festa do licuri promove preservação e valorização da espécie e seu sistema produtivo


Crédito da foto / Agência Chocalho // Divulgação    


“Licuri tem fortaleza e o povão vai saciar, fazendo as comidas típicas, o povão vai saborear, corta o cacho licuri dendê, joga pra secar, quebra pra comer”, nesses versos, a agricultoraMaria dos Santos Silva, quebradeira de licuri da comunidade Jabuticaba, em Quixabeira (BA), expressa a força do fruto que é conhecido como “Ouro do Sertão”, e que hoje ganhou visibilidade a partir da Festa do Licuri. 

Na sua 11ª edição, a Festa, que teve início no sábado (18) e encerrou neste domingo (19), na comunidade de Mata do Estado, no município de Capim Grosso, no Território de Identidade

Piemonte da Diamantina, nasceu da força e tradição das quebradeiras e da possibilidade de exportar a produção dessas mulheres.
Crédito da foto / Agência Chocalho // Divulgação 



A Festa tem como missão dar visibilidade a produção do licuri, ao potencial do seu sistema produtivo na geração de renda para a agricultura familiar e a valorização do trabalho realizado pelas quebradeiras desse fruto: “Desde criança a gente faz a quebra do licuri. Toda a minha vida é o licuri, todo sabor da cozinha é do leite do licuri. Hoje, chegamos a um ponto em que o licuri tem valor. Na época de criança que eu quebrava, não tinha valor”, afirma a Maria dos Santos. 

Para a agricultora e quebradeira de licuri, essa valorização é uma conquista das mulheres, reconhecendo que a Festa do Licuri ajudou a disseminar o potencial econômico desse fruto.

No evento, a riqueza dessa palmeira é encontrada na variedade de produtos derivados do licuri, a exemplo da farinha, bolo, azeite, doces, geleias, sorvetes, picolé, artesanato feito com palha da planta, além do licuri in natura e caramelizado. 

A artesã Lucineide Gomes de Lima, de São José Jacuípe, relata que “aqui eu vendo meus produtos, mostro como é rico o licuri, dele aproveitamos tudo, e ainda faço amizades e troco conhecimento”.
Crédito da foto / Agência Chocalho // Divulgação 

Durante os dois dias do evento, foram realizadas oficinas temáticas, intercâmbio entre comunidades produtoras, apresentações culturais, concursos, dentre eles, o de Quebra do Licuri. A jovem Ana Lúcia dos Santos, do município de Caém, participou da oficina “Comida com Gosto do Licuri” e diz: “eu não sabia que era possível fazer diversos pratos do licuri, não sabia da sua riqueza. Hoje, despertei para a necessidade de preservar essa planta que ainda não é valorizada como merece”.

Preservação

O evento tem também o objetivo de estimular a preservação e replantio dos licurizeiros. O diretor-presidente Cooperativa de Produção da Região do Piemonte da Diamantina (Coopes), Paulo Santos, destaca como conquista a lei de preservação do licuri e do umbu: “A Festa do Licuri tem dado o pontapé na articulação para aprovação dessa lei para a preservação da nossa palmeira. Conquista que reafirma a festa do licuri como um espaço de discussão e construções de políticas públicas que fortalece a agricultura familiar no Semiárido”. 

A Festa, que é uma iniciativa da Coopes e de agricultores familiares, com o apoio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio do Pró-Semiárido, projeto executado a partir de acordo de empréstimo entre o Governo do Estado e o Fundo de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.
O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.
VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas