REMANSO @ Operação Carro Fantasma: ex-vereador tem habeas corpus negado pelo TJ-BA - Observador Independente

BAHIA

13 de agosto de 2018

REMANSO @ Operação Carro Fantasma: ex-vereador tem habeas corpus negado pelo TJ-BA

Crédito da foto // Tovinho Regis/Flickr/Reprodução 




O ex-vereador de Remanso, Jorge Britos Alves (PSD), teve seu pedido de habeas corpus negado pelo Tribunal de Justiça da Bahia. Preso em março de 2018, Alves é acusado pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) de integrar uma organização criminosa que praticava desvio de dinheiro em celebração de procedimentos licitatórios fraudulentos.

A investigação aponta que entre 2014 e 2016 o grupo criminoso firmou contratos ilegais de locação de veículos apontados como inexistentes, causando prejuízo de R$ 10 milhões de reais aos cofres públicos.

Jorge Brito Alves teve sua prisão decretada em novembro de 2017 na operação Carro Fantasma, mas esteve foragido e só reapareceu depois que a Justiça concedeu liberdade ao ex-vereador. Na ocasião, o Judiciário impôs medidas cautelares ao acusado como condição para conceder a soltura. 

Entretanto, Alves descumpriu as determinações. Após isso, o investigado teve nova prisão decretada pela Vara dos Feitos Relativos a Delitos Praticados por Organizações Criminosas e foi preso em março deste ano.

Agora, o pleito de anulação do decreto de prisão foi negado pelos desembargadores integrantes da Primeira Turma da Primeira Câmara Criminal do TJ-BA. Os magistrados seguiram o voto da relatora desembargadora Ivete Caldas Silva Freitas Muniz, que manifestou pela não concessão da liberdade.

De acordo com os investigadores, o ex-vereador cometeu crime de peculato por 60 vezes em apenas um contrato, e por mais de 180 vezes em outro contrato. Além disso, Alves responde por crime de integração de organização criminosa. 

A defesa do ex-vereador, capitaneada pelo advogado Roberto Teixeira da Silva Paranhos, alegou constrangimento ilegal com a prisão decretada. O defensor também frisou que não havia fundamentação adequada no decreto de prisão e que não houve audiência de custódia.

Em sua análise, a desembargadora Ivete Caldas considerou o decreto de prisão "bem fundamentado" e ressaltou que o ex-vereador esteve foragido até conseguir a liberdade provisória e também descumpriu as medidas cautelares diversas da prisão, como demonstra em trecho do seu parecer: “[…] Durante as investigações, foi decretada a prisão preventiva do representado, mas o mesmo restou foragido até a decisão de concessão da liberdade provisória mediante as seguintes medidas cautelares […] Entretanto, em depoimento, o servidor público Jaime Martins Coelho Filho é claro quando diz que no dia 01/01/2018 Jorge Brito esteve em sua casa tomando cerveja e comendo carne de cocá, no período de 13h às 15h".

"[O ex-vereador] foi intimado e apresentou manifestação, porém não comprovou que estava em sua residência no período destacado cumprindo a medida cautelar de recolhimento domiciliar. […] Conforme destacado na decisão de concessão de liberdade ao acusado e demais investigados, em caso de descumprimento das obrigações impostas, poderá ser decretada a sua prisão preventiva", diz um trecho da decisão que decretou a prisão do investigado pela segunda vez.

Foram denunciados pelo MP: os vereadores José Ailton Rodrigues da Silva, Renata Lemos Rosal do Valle, Cândido Francelino de Almeida, Mailto de Franca Brito, Domingo Sávio Ferreira de Castro, Cristiano José Moura Marques e os suplentes Tomaz Neto Rodrigues da Silva e Jorge Brito Alves.

Segundo as denúncias, a associação criminosa funcionava por meio de emissões mensais de notas fiscais inidôneas e sublocação de veículos ‘fantasmas’, que não existiam ou não prestavam nenhum tipo de serviço público.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas